Família

Tio pode tudo! Quanto mais legal você for, melhor vai ser para o seu sobrinho

Eles desempenham um papel muito importante na vida da criança

Jéssica Anjos

Jéssica Anjos ,filha de Adriana e Marcelo

amor-de-tios

(Foto: Shutterstock)

Gravidez. Uma criança a caminho. Todo mundo ansioso para conhecer o novo integrante da família. Os pais fazem mil planos e ficam imaginando como vai ser ter os filhos nos braços pela primeira vez. Os avós ficam felizes em saber que logo, logo vão ter aquela gostosa agitação de criança correndo pela casa. Os padrinhos já pensam nos primeiros presentes e em como vai ser especial ver esse afilhado crescer de perto. Mas e os tios? Onde eles se encaixam nessa história?

Todo mundo sabe que eles amam muito os sobrinhos, e depois que a criança nasce as emoções e responsabilidades só aumentam. “O tio é aquela pessoa descontraída, que tem o papel de dar um alívio para os pais e para a criança. Num momento de conflito ou quando a criança precisa conversar com alguém, ela pode recorrer aos tios”, explica a psicóloga Daniela Bisorde, mãe de Manoella, Stella, Fabrizio e Gabriela.

Leia também:

Fiquei para tia, oba!

12 frases que falamos quando nosso filho dorme fora de casa pela primeira vez

Por que os avós são tão importantes?

“Minha família tem o hábito de se reunir aos domingos e antes de almoçar nós sempre oramos. Da segunda vez, meu irmão se voluntariou e disse: “Que Deus nos abençoe e cuide do novo irmãozinho da Laura!”. Aí eu comecei a chorar! (risos)”, comenta Débora Fernandes, tia de Laura e do Antônio que ainda vai chegar.

 

debora

Débora Fernandes é tia de Laura e está animada para amar muito o sobrinho Antônio que ainda vai chegar (Foto: Arquivo Pessoal)

Os tios precisam ser refúgio

A criança tem que saber que pode contar com ele se precisar. E nós sabemos que tem aqueles assuntos que eles preferem conversar com outras pessoas, então, por que não correr para os tios? “Essa relação deve ser construída diariamente e fortalecida. A criança precisa se sentir a vontade com os tios. Eles são um porto seguro”, diz a psicóloga Daniela.

“Eu fico lisonjeado em poder saber que elas acabam recorrendo a mim, para contar sobre as mil coisas que aconteceram, mas não estavam a fim de contar para os pais”, comenta S