Gravidez

5 coisas que você precisa saber sobre complicações de placenta na gravidez

É muito importante seu médico acompanhar sua gravidez bem de pertinho!

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

pregnant-woman-sitting-on-bed-with-her-hand-at-belly-picture-id586711028

A placenta é crucial por fornecer ao seu bebê os nutrientes que ele precisa. Na maioria das gravidezes não existem complicações, mas, às vezes, acontecem imprevistos que podem trazer um certo perigo para você e seu pequeno.

  1. Desprendimento de placenta. Quando a placenta se desprende do útero pode causar sangramento na mãe e interferir na passagem de oxigênio e nutrientes para o bebê. Acontece uma vez a cada 100 grávidas e apenas 25% das vezes é tão grave ao ponto de ter risco para a mãe e o bebê. Alguns dos fatores que podem aumentar a chance de ter um desprendimento é quando a mãe é mais velha, ou carrega mais de um bebê, tem pressão alta, bebe ou fuma. Sem um atendimento urgente, pode levar a várias consequências como dano cerebral no bebê e morte tanto do bebê quanto da mãe. Por isso, a cesária é o recomendado em vários casos, sendo a maneira mais segura de garantir a vida dos dois.
  2. Placenta prévia. Isso acontece quando a placenta se fixa parcial ou totalmente no colo do útero e faz com que o parto normal não seja mais uma opção. Apesar de ser considerada uma gravidez de risco, normalmente o bebê nasce seguro sem maiores complicações. Alguns dos sintomas são dor e sangramento mais brilhoso. Caso isso aconteça com você, é preciso evitar sexo e ficar perto de um hospital.
  3. Placenta acreta. A condição de Kim Kardashian acontece quando a placenta fica muito fixa e profundamente ligada ao útero, o que significa que não vão se separar apropriadamente depois que o bebê tenha nascido, causando um sangramento excessivo. 60 a 80% dos casos acontecem com mulheres que já passaram por cesáreas anteriormente. Muitas vezes, a cirurgia é necessária para remover a placenta. Se o sangramento não puder ser interrompido, o útero deve ser completamente removido.
  4. Insuficiência placentária. É quando a placenta não cresce ou funciona adequadamente, isso significa que o bebê não vai receber os nutrientes necessários podendo resultar em falta de desenvolvimento fetal e baixo peso ao nascer. A saúde do bebê e da placenta podem ser detectados por ultra-som antes do parto.
  5. Inversão uterina. Ocorre quando a placenta não só não se separa da parede uterina, mas puxa o útero de dentro para fora quando sai do corpo, tornando-se fatal. Felizmente, na maioria dos casos, o médico pode remover a placenta e empurrar o útero de volta à posição, no entanto, às vezes é necessária cirurgia e outros tratamentos, como medicação e uma transfusão de sangue.

 Leia também:

Saiba quais os possíveis destinos da placenta depois do parto 

Sem tabu: comer a placenta depois do parto faz bem? 

Descolamento de placenta: entenda o que a apresentadora Eliana teve 

Você gostou desse conteúdo?

Sim Não