Boa Notícia

Notícia boa: número de embriões congelados aumenta em 17% no último ano

Sabia que a fertilização in vitro cresceu 149% nos últimos cinco anos no Brasil?

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

pregnant-woman-holding-her-tummy-picture-id840024928

(Foto: iStock)

A Anvisa divulgou que o número de embriões humanos produzidos pelas técnicas de fertilização in vitro congelados cresceu em 2017, comparado ao número de 2016. O registro foi de 78.216 embriões preservados, o que aumentou em 17% o uso dessa técnica no Brasil. De acordo com o 11º Relatório do Sistema Nacional de Produção de Embriões (SisEmbrio), a região sudeste é responsável por 65% desses mais de 70 mil embriões congelados.

O Relatório também destacou que entre 2008 até 2017 foi doado um total de 1363 embriões para pesquisa com células-tronco. Apenas no ano de 2017, foram registrados 122 embriões doados no Brasil. Essa doação está na Lei 11.105/2005, que autoriza a utilização de células-tronco embrionárias produzidas por fertilização in vitro que não foram utilizadas pela família.

Cadastrados pela Anvisa, o Brasil tem 166 serviços de reprodução assistida que fazem todo o processo da fertilização in vitro. Foi dito que este ano serão realizadas ações de fiscalização sanitária para melhorar a qualidade do serviço.

Fertilização in vitro cresceu 149% nos últimos cinco anos no Brasil

O levantamento foi feito pela Clínica Matrix, com os dados da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e mostrou que entre 2011 e 2016, o número de FIVs (Fertilizações In Vitro) realizadas no Brasil aumentou 149,79%. O número de procedimentos saltou de 13.527, para 33.790!

Conversamos com Marcos Moura, médico especialista em reprodução humana assistida da Clínica Matrix e pai de Marcos, Raquel,  Sofia e Henrique, sobre as causas deste crescimento. Segundo ele, o aumento reflete algumas mudanças: o comportamento da mulher e das famílias, o aumento de clínicas especializadas e atualizações das regras do CRM, além da redução nos custos do tratamento para casais de baixa renda em algumas clínicas.

Atualmente, as pessoas conhecem mais os detalhes dos processos dos mais diferentes tipos de tratamentos. Com isso, as técnicas, a segurança e a eficácia são desmitificadas. Hoje em dia, as mulheres ainda têm o sonho de ser mãe, mas sem deixar de lado a carreira e essas técnicas permitem que elas adiem esse sonho com segurança.

“Os benefícios são, principalmente, o aumento da possibilidade de uma gestação e, mais ainda, de forma segura”. Com a modernização, os produtos e equipamentos usados nos laboratórios melhoram muito de qualidade e de disponibilidade. E isso resulta em melhores resultados de gravidez e, com isso, uma maior procura por procedimentos médicos mais eficazes.

Na Clínica Matrix, por exemplo, o programa “Ser Mãe” é uma alternativa para casais que não conseguem arcar com os custos do tratamento, terem acesso à reprodução assistida. São aceitos casais com renda familiar mensal de até R$ 5.700,00 comprovada através de imposto de renda ou de rendimentos (hollerith). “Sabemos que a impossibilidade de engravidar traz ansiedade e preocupação a muitos casais.”

Leia também:

Menos é mais! Transferir só um embrião para o útero pode ser melhor do que dois

Fertilização deve ser paga pelo plano de saúde

Fertilização in vitro cresceu 149% nos últimos cinco anos no Brasil

Você gostou desse conteúdo?

Sim Não