Criança

11 sacadas para não sofrer na hora de preparar a lancheira

As dicas são da pediatra Maria Cristina Meyer Martins, do Hospital Infantil Seara do Bem

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

A gente sabe como é difícil lidar com a rotina. No começo das aulas você está superanimada e pode até rolar um esforço maior na produção da lancheira das crianças, mas com o passar dos dias parece que aquele ânimo diminui. Dá uma olhada no artigo da pediatra Maria Cristina Meyer Martins, filha de Rosane e José, ela tem ótimas dicas para te ajudar a ser criativa e prática com o lanche dos seus filhos.

HORA DE PREPARAR O LANCHE DA ESCOLA: E AGORA?

Nossos dias estão cada vez mais atribulados e os compromissos parecem consumir todo o tempo que temos. Dentro dessa rotina “maluca” precisamos preparar o lanche dos nossos filhos, pensar em algo saudável e que a criança goste de comer. Muitas vezes, seja por praticidade ou por pura falta de talento e tempo muitos de nós pais, acabamos optando pelo lanche pronto ou então pela compra desse lanche na cantina da escola. Nas rodas de pais é comum ouvir: – “Compro o lanche e mando todo dia: um suco de caixinha, um pacote de bolacha e às vezes uma fruta…mas a fruta ele não come.”

Essa é a realidade da maioria das famílias no Brasil, lanches industrializados, nada balanceados e repletos de “nutrientes” prejudiciais a saúde dos nossos filhos e filhas. A verdade é que os alimentos preferidos (pelo nosso cérebro) são os mais gordurosos, com mais açúcar e com mais sal, e como os supermercados e as cantinas tem como objetivo a venda de alimentos, neles sobram todo os tipos de produtos industrializados empacotados, salgados fritos ou assados com muita gordura e sódio, doces, bolos e refrigerantes. Sabemos que algumas escolas são realmente um exemplo quando se trata dos lanches oferecidos, porém essas infelizmente são a minoria. Geralmente a merenda escolar não é boa nutricionalmente falando, nem saudável, nem nutritiva.

O fato de a escola ter consultoria de uma nutricionista não garante que o lanche será adequado, já que em alguns locais a nutricionista tem que trabalhar com os ingredientes que são oferecidos para que ela monte o cardápio e ainda pensar na venda desses lanches. Isso nos coloca numa cilada, afinal, queremos filhos saudáveis, cheios de vida e bem alimentados, mas na outra ponta temos uma oferta, seja no mercado ou na cantina de um monte de “tranqueiras” chamadas de alimentos que de certa forma facilitam a nossa vida. Essa praticidade momentânea nos trará certamente problemas futuros.

O grande aumento dos índices de sobrepeso e obesidade infantil e os inúmeros casos pediátricos de dislipidemias (aumento dos triglicerídeos e colesterol) e de hipertensão arterial, comprovam isso. Não vai adiantar termos filhos “letrados” e inteligentes, porém nada saudáveis. A principal causa de todas essas doenças é a alimentação moderna, industrializada, artificial, uma verdadeira bomba na nossa saúde. Precisamos lembrar que não basta comer bem em casa, temos que enviar lanches adequados para a escola, afinal, a criança come cinco vezes por semana no ambiente escolar, não é mesmo?

Os pais devem ficar atentos a esses dados e reconhecer que eles próprios são capazes de revertê-los, criando filhos saudáveis de verdade. A atenção dispensada aos pequenos deve começar na alimentação. Para ajudar você nessa tarefa, nossa proposta é organizar a semana de lanches para que se torne fácil, saborosa, prática e muito saudável, sem a necessidade de ser um expert na cozinha. Antes de mais nada é sempre bom ter em mente algumas regrinhas básicas:

1. Prefira sempre lancheiras térmicas e nos dias de maior calor você pode mandar um pequeno recipiente com gelo para garantir o frescor dos alimentos;

2. Limpe bem a lancheira diariamente: pode passar álcool com um papel toalha se não tiver muita sujeira ou lavar mesmo com água e sabão. Essa limpeza evita o acúmulo de restos de comida com consequente proliferação de microorganismos e odores desagradáveis;

3. Envie uma quantidade razoável de alimentos, não em excesso. Lembre-se: é só um lanche entre duas refeições principais;

4. Pergunte o que seu filho o quer comer dentre as opções saudáveis disponíveis, pois isso facilita que ele tenha vontade de comer. Envolver a criança na compra e no preparo do lanche sempre facilita as coisas;

5. Envie mais água que outros líquidos, lembrando que opções para a água são os chás (sem açúcar), água de coco ou sucos naturais, mas a água é sempre melhor;

6. Seja persistente e paciente. As novidades e mudanças nem sempre são aceitas de imediato, então pode ser que seu filho rejeite o lanche novo inicialmente. E se ele decidir ficar sem comer por esse tempo não se preocupe, afinal são apenas 4 horas que ele fica na escola não é? Para tornar o lanche mais atraente e divertido use cortadores de biscoitos e faça sanduíches em formatos divertidos;

7. Prefira frutas “in natura” ao invés dos alimentos industrializados contendo frutas;

8. Envie diariamente alimentos dos três grupos principais: construtores (proteínas), energéticos (carboidratos: não esqueçam que frutas também podem conter
carboidratos) e reguladores (legumes, verduras e frutas);

9. Prepare a maior parte dos alimentos que conseguir em casa;

10. Ao comprar alimentos industrializados leia os rótulos com cuidado: ao escolher pães, biscoitos ou bolos industrializados, lembre-se que na lista de ingredientes o alimento que vem em primeiro lugar é o que está presente em maior quantidade. Não caia na pegadinha dos “integrais”, muitos desses alimentos na verdade contém apenas os grãos adicionados integrais sendo a maioria farinha branca;

11. Se sua vida for muito corrida, organize o lanche no final de semana, vá ao mercado e compre tudo, lave as frutas e deixe tudo pronto, isso facilitará muito a sua rotina na preparação do lanche.

Abaix