4 ideias para estimular a imaginação e criatividade do seu filho de maneira simples

Pesquisas mostram que qualquer esforço criativo pode deixar as crianças mais felizes, seja desenhando, contando histórias, ou brincando de faz de conta com bichos de pelúcia. Veja como inspirar seu filho a pensar (e agir, escrever, e resolver) de maneira criativa e fora da caixinha

Resumo da Notícia

  • Pesquisas mostram que qualquer esforço criativo pode deixar as crianças mais felizes
  • Seja desenhando, contando histórias, ou brincando de faz de conta com bichos de pelúcia, o que importa é exercitar a imaginação
  • Veja como inspirar seu filho a pensar (e agir, escrever, e resolver) de maneira criativa e fora da caixinha

“Extremamente inteligente, doce, e um grande leitor, nosso segundo filho adorava fazer bichos com linhas de lã (tipo amigurumi). Então, para o aniversário dele de oito anos, nós demos a ele uma caixa de lã enorme. Na manhã seguinte, não conseguimos sair de casa pela porta da frente: Dan tinha amarrado toda a linha e correu inúmeras vezes até transformar a sala de estar em um casulo colorido. No início, fiquei frustrada com a engenhosidade dele, mas depois ficou claro: essa era a alegria de Dan. E quem sou eu para impor sua forma de expressão?”, conta Jacquelyn Mitchard, redatora da Parents.

-Publicidade-

A verdade é que muitos de nós, e certamente muitas crianças, seriam mais felizes se passassem um tempo fazendo atividades criativas. Pesquisadores da UNC Greensboro – Universidade da Carolina do Norte – descobriram que jovens adultos que relataram se sentirem felizes e ativos eram mais propensos a fazer algo criativo na época. E muitos pediatras dizem que suas próprias observações confirmam isso. “Quando as crianças têm liberdade para explorar dessa forma, pode haver um crescimento significativo do cérebro e desenvolvimento pessoal”, diz Adiaha Spinks-Franklin, médica conselheira da Parents, pediatra de desenvolvimento comportamental e professora assistente de pediatria na Faculdade de Medicina de Baylor.

Você pode estar pensando ‘bem, e se desenhar, escrever, ou tocar música não atrai meu filho, nem mesmo os rolos de lã?’. Tudo bem. Porque, como Mihaly Csikszentmihalyi, Ph.D., autor de ‘Flow: A psicologia do Alto Desempenho e da Felicidade’, aponta, criatividade não é simplesmente participar de alguma atividade artística. É sobre encarar o mundo com espírito de aventura. Até mesmo provar uma comida nova, ou perceber um passarinho diferente no bairro, ou uma flor diferentona pode ser considerado um evento criativo. Então, como você pode promover esse tipo de percepção, esse espírito de aventura no seu filho? Bem, na maioria das vezes você pode simplesmente não fazer nada.

Na verdade, aprender a não fazer literalmente nada com eles e por eles é uma das melhores coisas que os pais podem fazer para estimular a criatividade. A necessidade pode ser a mãe da invenção, mas a mãe da criatividade é o tédio, afirma Peter Gray, Ph.D, pesquisador e professor de psicologia na Faculdade de Boston. “As crianças são naturalmente criativas”, diz Dr. Gray, que continua explicando que conforme envelhecemos, muitas vezes vamos perdendo aquela centelha de experimentação curiosa conforme outros fatores (como emprego, obrigações, exaustão geral de ser um adulto) se intrometem.

“Quando meus filhos mais velhos eram pequenos, eu era uma mãe viúva que trabalhava e tinha pouca energia para transformar tarefas diárias em coisas criativas. Eu estava cansada demais para fazer qualquer coisa com eles”, lembra Jacquelyn. Mas mesmo assim, instintivamente ela resolveu tirar a TV e os computadores durante os dias da semana deles, forçando-os a usar aquele ‘computador incrível’ que eles têm dentro da cabeça. “Eles choraram e protestaram. Depois, eles acostumaram. Até que eles floresceram”.

Seja desenhando, contando histórias, ou brincando de faz de conta com bichos de pelúcia, o que importa é exercitar a imaginação
Seja desenhando, contando histórias, ou brincando de faz de conta com bichos de pelúcia, o que importa é exercitar a imaginação (Foto: Parents)

Brincadeiras não estruturais ensina às crianças suas melhores habilidades para a vida, diz Lenore Skenazy, autora de ‘Free-Range Kids’, em português, ‘Crianças Livres’. “Quando interferimos em tudo o que os nossos filhos estão fazendo – seja para ajudar, colaborar ou ensinar – estamos tirando deles o que era o projeto deles e pegando para nós. E isso é desanimador. Pais podem até pensar: ‘mas eles estavam fazendo do jeito errado’, ou ‘isso é muito difícil para ele fazer sozinho’. E pode até ser que isso seja verdade. Mas o objetivo não é que nossos filhos façam um bolo perfeito, um cachecol perfeito ou um origami perfeito. O objetivo é que eles descubram algumas coisas, assumam pequenos riscos, talvez até façam alguma coisa totalmente nova (e com bagunça). O resultado pode até ser confuso, mas é deles. E eles estão numa jornada de descobertas, tentativas, erros e entusiasmo”.

Um aspecto positivo de 2020, em meio a pandemia da Covid-19, é que vivemos um momento de ouro em relação à criatividade infantil. Dr. Gray diz que seus amigos pesquisadores descobriram que muitas crianças realmente prosperaram durante a pandemia. Entediadas no começo, elas rapidamente recorreram a seus próprios recursos. Mesmo que seu filho tenha passado o que pareceu uma eternidade pra você na frente das telas, anime-se: videogames podem envolver uma grande quantidade de criatividade, diz Dr. Gray, especialmente aqueles que precisam de estratégias e interpretações, em vez de apenas corrida ou acertar o alvo.

“Criando o que eventualmente se transformou em nove filhos, eu não tive muito tempo para dedicar a organização de esportes e aulas, embora tenha encontrado maneiras de facilitar interesses naturais, geralmente quando as crianças me pediam”, conta Jacquelyn. Na maioria das vezes, ela lia uma história junto dos filhos, dançavam e até criaram um personagem do tamanho de um polegar chamado Tiny Eddie, que tinha aventuras toda semana. “Eu me preocupava que meus filhos não fossem bem-sucedidos como crianças que são envolvidas em todos os esportes e clubes, mas nunca me preocupei com a nossa capacidade de nos divertir”. Nos últimos anos, uma das filhas dela tricotou um enorme edredom para cada um dos irmãos; outra, desenhou e fez o próprio vestido para o baile. Um dos mais velhos, que já é adulto, é ator e construiu seu chuveirão sozinho num fim de semana. Outro filho que ainda está no colégio é um gênio da computação e cozinha refeições vegetarianas gourmet. Já o mais novo, projetou uma cafeteira movida a uma bicicleta ergométrica.

Saiba como inspirar seu filho a pensar (e agir, escrever, e resolver) de maneira criativa e fora da caixinha (Foto: Parents)

Você pode estar se perguntando: e o Dan, o filho mais novo dela o mestre da lã? Ele acaba de se formar na faculdade, tem um casamento feliz e é subchefe no restaurante chique da cidade – e nunca na vida seguiu uma receita. “Ele sempre soube que sua felicidade estava fora das regras tradicionais”. E talvez seu filho também.

Isso não quer dizer que você, mãe ou pai, não deva instruir seu filho. Claro, faça todos os tipos de perguntas sobre as coisas que vocês veem juntos. Dê ao seu filho ferramentas que induzam a criatividade. Mas, uma vez que seu filho tenha os materiais em mãos e as ideias estejam aguçadas, afaste-se (você vai encontrar um guia mais pra frente na reportagem). E ao embarcar nesta jornada familiar em direção a uma vida mais criativa, lembre-se: seu filho já tem o espírito de aventura. Seu trabalho é apenas incentivá-lo a mantê-lo.

Agora, chega de teoria: é hora de colocar a mão na massa! Sabe quando no MasterChef os competidores ganham caixas com ingredientes estranhos e aleatórios e têm encontrar uma maneira inteligente de fazer algo delicioso, mas sempre criativo? Bem, essa mesma fórmula funciona de maneira brilhante para inspirar a criatividade do seu filho em outras áreas além da culinária, desde a escrita, às artes visuais e até a improvisação e construção. Basta entregar uma seleção de itens variados, dar um tema (que tal safari?) e convidar as crianças a sonharem com suas próprias histórias, pinturas, e projetos. Que os jogos criativos comecem!

Escreva um mistério

O OBJETIVO: deixe as crianças usarem seus poderes de percepção para resolver o caso das fotos curiosas, então escreva um livro baseado no que elas acham que está acontecendo nas imagens. Elas podem estudar os detalhes, as pistas de localização, ou dicas da era histórica para ajudá-los a inventar uma história baseada em seus palpites.

OS MATERIAIS: três fotos de pessoas, cortadas de revistas ou jornais. Três fotos de lugares, como uma rua movimentada ou um prédio interessante.

GUIE SEU FILHO: “O que está acontecendo nessa foto? O que você escreveria nessa foto? Você consegue adivinhar o que aconteceu antes e depois dessa foto ser tirada?”.

Itens que você tem em casa podem ser muito úteis para praticar a imaginação - você pode fornecer os materiais e guiar a brincadeira, mas deixe que seu filho crie tudo sozinho
Itens que você tem em casa podem ser muito úteis para praticar a imaginação – você pode fornecer os materiais e guiar a brincadeira, mas deixe que seu filho crie tudo sozinho (Foto: Parents/Stephanie Rausser)

Pintando de uma nova maneira

O OBJETIVO: seu filho é ensinado a colorir dentro da linha do desenho, mas o que aconteceria se você jogasse isso (e os pincéis) pela janela de mentira? Aprenda com eles dando ferramentas inesperadas para pintar – dedos também podem entrar nessa!

OS MATERIAIS: muitas tintas e de diferentes tipos, como aquarelas, óleos, acrílicas, etc.; folhas de papel; flores, folhas e galhos; esponjas; utensílios de plástico para alimentos para as misturas

GUIE SEU FILHO: “Qual é a forma mais maluca que você poderia criar alguma coisa? Você poderia misturar as cores que correspondem ao seu humor? Onde você gostaria de mostrar a sua pintura? Qual será o nome dela?”.

Guie seu filho por uma jornada de descobertas, tentativas, erros e entusiasmo
Guie seu filho por uma jornada de descobertas, tentativas, erros e entusiasmo (Foto: Parents/Stephanie Rausser)

Construindo uma casa maneira

O OBJETIVO: dar uma de Bob o construtor e fazer com que seu filho construa qualquer coisa, desde uma casa de brinquedo para animais de estimação, até um lindo castelo de brinquedo – apenas reutilizando caixas de papelão e reutilizando materiais. Deixe-o ir à loucura personalizando da maneira que quiser!

OS MATERIAIS: caixas de papelão; tubos de papel (higiênico e toalha); palitos de madeira (sorvete e de dente); embalagens de ovos; copos de papel; fitas adesivas coloridas; cola.

GUIE SEU FILHO: “como você pode tornar a casa resistente para que não caia? Que tipo de moradores sua casa terá e como você pode fazê-la especialmente para eles? Como eles iriam de um andar para o outro?”.

Faz de conta debaixo d’água

O OBJETIVO: é hora do show! Deixe seu filho apresentar sua própria aventura diretamente do fundo do mar, improvisando o que eles vão descobrir e personagens que vão encontrar. Aviso aos pais: as chances são altas de que você seja forçado a interpretar a melhor criatura marinha como apoio.

OS MATERIAIS: cobertores; caixas de sapato; bijuterias e moedas; toalhas de praia; pá e baldes de praia; serpentinas azuis, roxas, e verdes; luvas térmicas de forno.

GUIE SEU FILHO: “quem ou o que você pode ver em uma viagem no oceano? O que poderia acontecer se você fosse engolido por uma baleia? Como as diferentes criaturas do oceano se moveriam e quais os sons elas fariam? Como os barulhos seriam escutados debaixo d’água?”.

Para continuar lendo a matéria

Coloque seu e-mail aqui. Boa leitura!