Aprenda a mágica da “crítica leve”: 7 passos para disciplinar com amor

As crianças precisam aprender com os erros – e você ainda pode responsabilizar seu filho sem fazê-lo parecer uma pessoa ruim

As crianças precisam aprender com os erros – e você ainda pode responsabilizar seu filho sem fazê-lo parecer uma pessoa ruim (Foto: Getty Images)

Você não quer punir seus filhos – só quer que eles comecem a se comportar melhor. Uma psicóloga americana, e mãe de quatro filhos, compartilhou dicas para disciplinar sua criança com amor: aprenda a mágica da “crítica leve”.

-Publicidade-

“Amamos nossos filhos, por isso parece óbvio que eles devem amar a si mesmos. Confiança e sensação de conforto em sua própria pele são objetivos de vida para todos. Mas se o incentivo a essas qualidades é sua prioridade como pai ou mãe, você pode evitar lidar com o comportamento difícil do seu filho porque não deseja prejudicar a auto-estima dele. As crianças precisam aprender com os erros – e você ainda pode responsabilizá-los sem fazê-los parecer pessoas ruins. 

Um de nossos trabalhos mais importantes é ensinar nossos filhos a ter relacionamentos. Eles precisam entender como suas ações afetam outras pessoas e quais comportamentos os outros irão e não tolerarão. Sentir-se culpado se eles fizeram algo errado faz parte do desenvolvimento moral. Isso os ajuda a desenvolver o barômetro interno que diz: “Oh, eu errei”, para que eles desejem fazer as pazes. Culpa saudável não é o mesmo que sentir vergonha ou falta de valor. Aqui estão respostas para perguntas que eu ouço frequentemente dos pais e maneiras de capacitar as crianças a resolver seus próprios problemas.

-Publicidade-

Sempre que meu filho se comporta mal ele fica muito chateado se eu comentar. Por quê?

Algumas crianças são mais sensíveis às críticas ou propensas à baixa auto-estima. Embora o conselho padrão seja criticar o comportamento de uma criança e não a criança, a maioria das crianças não consegue entender a diferença. Os adultos podem racionalizar: “Fiz uma coisa ruim, mas no geral sou uma pessoa muito boa”, mas as crianças não. Quando são confrontados por terem feito algo ruim, se sentem totalmente mal.

Como posso lidar com uma situação de forma suave, mas sem deixar meu filho frustrado?

A melhor abordagem é uma estratégia de três etapas que chamo de “crítica leve”. Na verdade, funciona bem também com parceiros e colegas de trabalho. Primeiro passo: Ofereça uma desculpa para o seu comportamento. Comece dizendo: “Eu sei que você não quis fazer isso” ou “Você provavelmente não percebeu” ou “Entendi o que estava tentando”. Isso diz a ele que você sabe que ele é um bom garoto e tem boas intenções, mesmo quando ele erra.

Segundo passo: Diga a ele o que ele fez de errado e como isso afetou os outros. “Quando você bate no seu irmão, o braço dele dói muito”. Pode ser tentador acrescentar: “Você sempre o trata dessa maneira” ou “Você não se importa o suficiente com os sentimentos de outras pessoas”, mas isso fará com que ele pareça uma pessoa ruim, então deixe esses argumentos de lado. 

Terceiro passo: Avance. As crianças não podem desfazer o que já fizeram e não queremos deixá-las presas se sentindo mal consigo mesmas. Faça perguntas ao seu filho para ajudá-lo a elaborar um plano para corrigir as coisas, como: “O que você pode fazer para ajudar seu irmão a se sentir melhor?”. Dependendo da situação, você pode sugerir maneiras possíveis de fazer as pazes. Isso pode envolver pedir desculpas, confortar, compartilhar, limpar ou fazer uma tarefa. No sentido mais amplo, se seu filho fez algo para prejudicar a família, ele pode fazer algo para ajudar a família. E quando ele fizer algo gentil ou útil para fazer as pazes, demonstre gratidão.

As crianças não podem desfazer o que já fizeram e não queremos deixá-las presas se sentindo mal consigo mesmas (Foto: Getty Images)

Meu filho definitivamente precisa de ajuda para encontrar soluções. O que eu posso fazer?

Se houver uma situação frequentemente difícil para ele, é útil ter uma conversa na qual você descreva o problema dizendo: “Por um lado… mas por outro lado…” e incentive-o a apresentar soluções possíveis. Assim que você apresenta a situação em termos de duas perspectivas, quase consegue ver o cérebro do seu filho crescer diante dos seus olhos. Ele está expandindo para outro ponto de vista também. Sempre que você resolve problemas com crianças, sua primeira sugestão geralmente é totalmente irracional e seu trabalho é dizer: “Essa é uma opção, mas isso não resolveria a outra parte do problema. O que mais podemos fazer?”. Seu filho pode aprender a ter ideias e refiná-las se você for paciente e orientá-lo a pensar sobre as coisas. Então, se a solução dele for um sucesso, você pode dizer: “Uau, sua solução realmente funcionou”. É importante que as crianças saibam que resolveram um problema.

Se meu filho parece ter baixa auto-estima, devo me preocupar?

Como pais, ouvir nossos filhos fazerem comentários negativos sobre eles mesmos é agonizante. Isso nos faz querer mostrar a eles como eles são especiais. Embora pareça lógico que as crianças que se sentem bem consigo mesmas sejam mais felizes, não é isso que pesquisas mostram. Estudos descobriram que uma maior auto-estima não está associada ao sucesso acadêmico, a melhores relacionamentos ou até à felicidade – e elogios exagerados podem sair pela culatra. Quanto mais você tenta provar ao seu filho que ele é maravilhoso, mais ele pode argumentar que ele é terrível ou temerá que nunca será capaz de cumprir seus elogios.

Em um grande estudo, por exemplo, um grupo de crianças recebeu um curso destinado a melhorar a auto-estima, enquanto outro grupo de crianças recebeu instruções diretas em assuntos acadêmicos. Adivinha quem saiu com mais confiança? As crianças que realmente desenvolveram habilidades reais em matemática e leitura. Nosso foco não deve ser convencer nossos filhos de que eles são ótimos, mas ajudá-los a desenvolver amizades fortes e competência genuína. Dito isto, não queremos que as crianças tenham baixa auto-estima, porque serão infelizes e terão maior risco de depressão.

E também pode se tornar um problema: uma criança pode ter medo de tentar algo novo porque ela supõe que será ruim ou evitará situações sociais porque acha que não se encaixará com as outras crianças. Ou ela vai ao extremo oposto e é tão perfeccionista que nada é bom o suficiente. A solução não é ensinar uma criança a se sentir melhor consigo mesma. É para ajudá-la a se libertar do auto-foco severo. Hoje há muita pressão sobre as pessoas para se preocuparem com sua imagem e como elas estão aparecendo. A verdadeira auto-estima não é amar a nós mesmos, mas trata-se de deixar de lado a pergunta: “Sou bom o suficiente?”. Queremos ajudar as crianças a se conectarem a algo maior que elas mesmas, seja uma amizade ou uma chance de aprender sobre um assunto que é importante para elas.

O sucesso aumentará a confiança de uma criança?

Infelizmente algumas crianças são rápidas em descontar suas vitórias. Eles separam seu desempenho e insistem que não foi tão bom. Um estudo descobriu que pessoas com baixa auto-estima se sentem mais ansiosas após uma vitória do que após uma derrota. Eles se preocupam em não conseguir fazer isso de novo ou que as pessoas esperem mais deles. Uma maneira de ajudar seu filho a se sentir mais competente é ser o que eu chamo de “biógrafo tendencioso”. Conte a ele histórias poderosas sobre os momentos em que ele lutou, mas finalmente venceu. 

Infelizmente algumas crianças são rápidas em descontar suas vitórias (Foto: Getty Images)

O que devo fazer quando meu filho não faz o que eu peço, mesmo quando eu sei que ele é capaz disso?

Primeiro de tudo, verifique se você tem expectativas realistas. É tão fácil pensar que ele deve ser capaz de se comportar de uma certa maneira, mas você precisa lidar com a criança à sua frente. Se você sempre pede que ele suba as escadas e se arrume para dormir, e todas as noites, 30 minutos depois, nada foi feito, é preciso tentar uma abordagem diferente. Realmente não importa se a maioria das crianças da idade dele pode se arrumar para dormir sozinho. Considero expectativas realistas o que nossos filhos podem fazer na maioria das vezes ou um pouco além disso. Recompensas e punições são irrelevantes se o seu filho não puder fazer o que você está pedindo.

Como posso motivar meu filho a se comportar bem?

Verifique se ele sabe que é possível agradar você. Reconheça seu esforço e progresso. Esquecer os erros que ele cometeu no passado ​​também é uma das coisas mais generosas que você pode fazer como mãe. As crianças estão mudando tão rapidamente que tudo o que seu filho fez no mês passado foi praticamente feito por uma pessoa completamente diferente, então não há razão para trazê-lo à tona novamente. Você também pode falar sobre como ele está crescendo ou se tornando uma boa pessoa”.

Leia também:

Filho malcriado, não! 7 frases curtas para disciplinar as crianças

Está difícil disciplinar seu filho? A gente te ajuda!

Qual é a idade certa para começar com a disciplina?

-Publicidade-