1001 Realidades: veja como foi a segunda mesa-redonda do 11° Seminário Internacional Pais&Filhos

A conversa contou com a participação de Andressa Simonini, Aline Barbosa, Daniela Becker, Fafá Conta e Thiago Queiroz

Resumo da Notícia

  • O 11° Seminário Internacional Pais&Filhos finalizou com uma mesa-redonda sobre as diferentes realidades na hora de educar o filho
  • A mesa contou com a participação de Andressa Simonini, Aline Barbosa, Daniela Becker, Fafá Conta e Thiago Queiroz
  • Nela, eles falaram um pouco sobre as diferentes visões e realidades na hora de educar os filhos
  • Esse foi justamente o tema do 11° Seminario Internacional Pais&Filhos: A Sua Realidade, apresentado por Natura Mamãe Bebê e com patrocínio de Ninho

O 11º Seminário Internacional Pais&Filhos – A Sua Realidade, apresentado por Natura Mamãe Bebê e com patrocínio de Ninho, está chegando ao fim e para finalizar com chave de ouro, recebemos Aline Barbosa, Daniela Becker, Fafá Conta e Thiago Queiroz para a mesa redonda ‘1001 realidades’. Nela, os participante conversaram com Andressa Simonini, filha de Branca Helena e Igor e editora-executiva da Pais&Filhos, sobre as diferenças na hora de criar os filhos e como elas são importantes, tema que foi altamente debatido durante o seminário.

-Publicidade-

Andressa começou a mesa-redonda apresentando todos os participantes e anunciando mais um sorteio: de um livro do Thiago Queiroz! A apresentadora começou a mesa fazendo uma provocação para os convidados: perguntando ao Thiago, pai de Dante, Gael, Maya e Cora, educador parental, autor do livro “Abrace Seu Filho”, criador do Paizinho, Vírgula, colunista e embaixador da Pais&Filhos, se ele erra. “Todo dia. Acho que uma das coisas que mais temos que conversar é naturalizar essa questão de que a gente vai errar, diariamente”, começou ele respondendo. “E quanto mais assumimos esses erros, melhor nos relacionamos com nossos filhos”, continuou, mostrando a importância de assumir aos próprios filhos que, muitas vezes, os pais também erra. “Sempre temos que pensar em ter essa relação genuína com nossos filhos.

(Foto: Pais&Filhos)

Logo em seguida foi a vez de Daniella Becker, mãe de Giovanna, trabalha há 15 anos na Natura e há 5 é Gerente de Marketing da categoria Infantil, tema pelo qual se apaixonou e desde então virou uma estudiosa e curiosa do assunto, responder sobre os tais erros na maternidade. “Como Thiago falou a gente erra todo dia. E acho importante reconhecermos que antes de ser mãe somos filhas e a gente sabe que nossos pais erraram, mas é importante reconhecer que esses erros vem sempre na tentativa do acerto. Eu erro todo dia. Várias coisas que falava que nunca ia fazer, acabo fazendo. Ainda mais na pandemia”, confessou ela, que contou a importância de conversar com a filha e reconhecer esses erros.

Em seguida foi a vez da Aline Barbosa, mãe solo de Laura, Vicente, Joaquim e Antônia, professora e que fala sobre o protagonismo da mulher negra e os desafios diários da maternidade solo com o perfil @maecrespa. “Como os outros participante falaram, eu erro todos os dias. Mas errados com a intenção de acertar. Acho importante aceitar que erramos e mostrar aos nossos filhos que também somos imperfeitos”, contou ela, que contou que aprendeu sobre isso sendo mãe, já que quando era pequena, nunca ouviu a mãe assumindo a errar.

Fafá Conta, filha de Luiz e Solange, atriz e contadora de histórias do canal que leva seu nome e traz conteúdo de qualidade pras crianças na internet, entrou depois, falando sobre a importância de contar histórias sobre isso. “Sempre busco por essas histórias que não seja só interessante para as crianças, mas também para os adultos aprender com elas”, contou Fafá. Ela seguiu contando sobre a importância de buscar histórias que tenham muito mais a contar que apenas uma simples lição. Thiago, que está trabalhando em um podcast ao lado de Fafá, concordou com ela na importância de contar histórias que sirvam também para ajudar os pais.

Andressa aproveitou para perguntar ao Beto Bigatti sobre os erros da parentalidade. Ele, por sua vez, relembrou um erro específico. “Ele estava fazendo uma birra, com 4 anos, na porta de casa. E eu falei ‘para com isso, você não é mais criança'”, contou ele, que assumiu que logo em seguida pediu desculpa. Para Beto, os principais erros vem com a perda da paciência com os filhos.

Logo depois, Andressa questionou Dani sobre como lidar com os erros quando os assumimos e, logo em seguida, recebemos críticas dos “palpiteiros de plantão”. “No começo eu me importava mais. Agora sei que cada um tem sua verdade e tento ficar mais tranquila com a minha. Exatamente por isso que aceito que a gente vai errar e depois corrigir”, contou ela, que disse que, pela pandemia, tenta relevar muitas coisas para tentar ser menos crítica consigo mesma em relação aos erros. “Eu acho que ninguém consegue equilibrar os pratos. Quando seguramos um, o outro caíu”, brincou ela, falando sobre as dificuldades em ajudar as filhas e trabalhar em casa com a vinda da pandemia.

“Um prato sempre vai cair e está tudo bem. A gente precisa aprender a lidar com isso”, completou Dani, ressaltando que não dá para fazer tudo, principalmente durante esse momento de pandemia. Logo em seguida, Dani falou sobre o momento em que se contaminou com covid-19 e Andressa Simonini aproveitou para falar sobre Leandro Nigre, participante que iria integrar a mesa-redonda, mas não conseguiu por se contaminar com a doença.

Aline decidiu falar também sobre as dificuldades de “equilibrar os pratos”, principalmente tendo 4 filhos. Ela contou sobre uma situação que viveu na pandemia, quando um dos filhos dela não conseguiu aprender a ler na idade certa. Por ser professora, Aline disse que foi muito julgada por outras pessoas por isso. “Todo mundo está exausto, acho que ninguém mais tem paciência. Mas tento me manter controlada o máximo que posso”, apontou.

Mas, afinal, com tantas dores e dificuldades, por que ter mais filhos? “A gente que tem muito filho costuma ouvir muitas piadotas quando anuncia novos filhos”, contou Thiago. “Eu sempre falo que não é apenas sobre coragem ou estar maluco ou não, é sobre ter esperança. Principalmente nesse momento que estamos vivendo, preciso crer que o mundo é maior que isso e que estamos nos recuperando”, explicou o pai.

Ao ouvir isso, Beto brincou que pensou em ter mais filhos. “Acabamos tendo só 2. Mas acho bonito demais ter mais filhos”, contou o pai. “Esses dois nos escolheram por enquanto, acho que vamos ficar com esses dois. Mas o Thiago quase me convenceu, a Aline também”, brincou.

Para acompanhar ao vivo o que está rolando, é só ir ao nosso YouTube ou Facebook, ou dar play no vídeo abaixo:

Conheça mais sobre os participantes

Aline Barbosa é mãe solo de Laura, Vicente, Joaquim e Antônia, professora e entusiasta em comunicação digital. Há 3 anos, vem equilibrando os pratos, falando sobre o protagonismo da mulher negra e os desafios diários da maternidade solo com o perfil @maecrespa.

Daniella Becker é mãe de Giovana, trabalha há 15 anos na Natura e há 5 é Gerente de Marketing da categoria Infantil, tema pelo qual se apaixonou e desde então virou uma estudiosa e curiosa do assunto. Participou do Curso Internacional de Liderança Executiva em Desenvolvimento da Primeira Infância, no Center on the Developing Child da Universidade de Harvard. É Formada em Relações Públicas pela ECA/USP e certificada em Parentalidade e Educação Positivas pela Escola da Parentalidade e Educação Positivas de Portugal.

Fafá Conta é atriz e contadora de histórias, com mais de 200 mil inscritos no Youtube, o canal “Fafá Conta” já se tornou uma referência em contação de histórias e literatura infantil. Todo esse trabalho já é reconhecido por famílias como uma rede tecnológica de apoio, que traz conteúdos sobre educação sexual, além de histórias que geram reflexões, ajudam a lidar com os sentimentos das crianças, provocam bons momentos de riso e contribuem para uma infância livre de estereótipos.

Thiago Queiroz é pai de Dante, Gael, Maya e Cora, é educador parental, autor do livro “Abrace Seu Filho”, criador do Paizinho, Vírgula, colunista e embaixador da Pais&Filhos. Fafá comentou que ficou inspirada a ser mãe com essa conversa. “Me inspirei, mas já passei”, brincou.

Fafá seguiu falando sobre o público dela na pandemia e contou que muita gente chegou até ela pela pandemia. “Por ficarem mais em casa, começaram a mostrar mais telas para as crianças”, contou. Ela disse que tem amado receber comentários de pais dizendo que aprenderam a contar histórias de formas mais atraentes e conheceram histórias novas por conta dela. “O que você está me contando é de rede de apoio, que não é só mãe, pai”, comentou Andressa Simonini. “A rede de apoio é uma rede afetiva para seu filho”, completou.

Dani concordou com ela e ressaltou que, muitas vezes, a rede de apoio dos pais também servem para o futuro dos filhos. Ela comentou a importância de mostrar a importância de abrir a rede de apoio para todos, para que um cuide do outro de forma geral. “A gente só ama o outro quando amamos a nós mesmo e a gente a aprende essa amor na primeira infância, com nossos pais”, completou ela.

Aline, então, contou um pouco sobre a rede de apoio durante a pandemia. “Foi complicado. Digo sempre que os canais de YouTube foram minha rede de apoio em muitos momentos”, brincou ela. “Minha rede de apoio é a televisão e a minha família. Se não fosse meus pais, não sei o que seria de mim nesse período de pandemia”, confessou ela, que disse que usou muito da ajuda da família para cuidar sozinha dos filhos durante esse momento. Além disso, ela falou sobre a importância da rede de apoio nas redes sociais. “Em muitos momentos que relatei um perrengue, alguma seguidoras vieram me oferecer ajuda”, completou ela.

“Independente das diferenças, é preciso ter acolhimento e empatia de entender que se a gente não se unir o mundo não vai a lugar nenhum”, completou a Andressa, com uma frase resumindo a conversa que rolou durante a 2° mesa-redonda do 11° Seminário Internacional Pais&Filhos – A Sua Realidade.

O tema do 11° Seminário: A Sua Realidade

Colocar um filho no mundo é um exercício para a vida inteira. E vamos falar a real? Não existe mãe, pai ou filho perfeitos. Não fala que você não vai errar durante a maternidade ou paternidade, porque você vai. Ao mesmo tempo, é importante fugir daquela obrigação de estar sempre expondo os seus erros como mãe ou pai para todo mundo.

Mas conforme seu filho vai crescendo, como fica essa relação entre os erros e os acertos? O sofrimento e a realização plena? A felicidade e a tristeza? A culpa e o alívio? E se a maternidade gera tanta culpa e dor, por que vale a pena? Esse é o tipo de pergunta que não tem justificativa. É tentar explicar o inexplicável: o amor de mãe e pai. Afinal, é com o amor e construção da parentalidade que os erros se transformam em acertos. E vice-versa.

Cada família tem a sua realidade e sabe o que é melhor para o filho no momento da criação. Em meio a esses erros e acertos, você vai encontrando aos poucos a sua forma de amar, cuidar e criar vínculos entre pais e filhos. Por isso, chegamos ao tema desta edição.

Programação 11º Seminário Internacional Pais&Filhos – A Sua Realidade

  • 11h | Abertura
  • 11h20 | Mesa-redonda – 7 (e muito mais!) pecados capitais – com Vera Iaconelli e Lia Bock
  • 12h50 | Palestra: É o amor – com Marcos Piangers, pai de Anita e Aurora, jornalista, escritor e colunista da Pais&Filhos
  • 14h20 | Pocket-show com Negra Li, mãe de Sofia e Noah, cantora, compositora e colunista da Pais&Filhos
  • 15h00 | Bate-papo com Patricia Tobo, filha de Paulo e Maria, pesquisadora e vice-diretora de Ciências de Bem-Estar da Natura
  • 15h30 | Palestra – Pagando a língua – com Miá Mello e Marcileni Melo, filha e mãe
  • 16h30 | Bate-papo com Família Baltar -Humberto e Thainá, pais de Apolo
  • 16h50 | Palestra: Confia e vai! – com Humberto Baltar, pai de Apolo, educador e fundador do coletivo Pais Pretos Presentes
  • 17h40 | Mesa-redonda: Mil e uma realidades – com Thiago Queiroz, Daniela Becker, Fafá Conta, Aline Barbosa.
  • 18h50 | Encerramento