Bebê de 10 meses morre por Síndrome Respiratória Aguda após esperar por leito de UTI

Ele estava esperando para ser transferido para um hospital com leitos de UTI disponíveis e a mãe fez uma postagem no Facebook pedindo ajuda para a secretaria da saúde do Acre

Resumo da Notícia

  • Um bebê de 10 meses que esperava UTI morreu nesta terça-feira
  • Ele estava esperando para ser transferido para um hospital com leitos de UTI disponíveis
  • A mãe fez uma postagem no Facebook pedindo ajuda para a secretaria da saúde do Acre

Na manhã desta terça-feira, 7 de junho, o bebê Théo Dantas, que foi internado desde segunda-feira, 6 de junho, no Pronto Socorro de Rio Branco e esperava transferência para o Hospital da Criança.

-Publicidade-

A mãe da criança fez várias postagens nas redes sociais dela, pedindo uma vaga na UTI para o filho. Segundo o portal G1, que entrou em contato com a Secretaria da Saúde no Acre, a informação dada é que o bebê morreu devido a um quadro de bronquiolite por conta de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG).

O bebe ficou doente após pegar uma gripe. A família de Théo comemorou os 10 meses do bebê no dia 4 deste mês e as fotos da comemoração foram postadas pela mãe, Joelma Dantas, nas redes sociais dela.

Declaração da mãe de Théo (Foto: Reprodução/ G1)

Na última segunda-feira, a mulher voltou para as redes sociais falando que Théo estava entubado e precisava de vaga na UTI. “Por favor, marquem o governador Gladson Cameli pois só existem no estado do Acre 9 UTIs infantis para todas as crianças do estado! Em nome de Jesus, eu preciso muito dessa vaga pro meu Théozinho. Eu sou uma mãe desesperada!” disse ela na postagem no Facebook.

O pai da criança, Thalles Damasceno, concedeu uma entrevista para o portal G1, e falou que conseguiu uma vaga de UTI no Hospital da Criança, horas antes da morte do filho, porém a equipe médica disse que não seria possível fazer a remoção.

O bebê esperava por um leito de UTI (Foto: Reprodução/ Arquivo pessoal/ G1)

“Não tinha vaga disponível antes. A situação dele estava muito crítica, a médica disse que não tinha como fazer a remoção e tinha que ficar lá mesmo. No PS não tinha UTI pediátrica, fizeram um improviso com uma semi-intensiva”, falou ele.

Damasceno finalizou a entrevista falando que talvez, se uma vaga de UTI tivesse surgido antes, o filho poderia estar vivo.