Estados Unidos investigam possibilidade de o novo coronavírus ter vazado de laboratório chinês: entenda a origem

Segundo a China, os primeiros humanos com a doença foram infectados em um mercado na cidade de Wuhan, mas os EUA investigam rumores de que a transmissão tenha acontecido em um laboratório de virologia da cidade. Até agora, as investigações são inconclusivas

João, 16 anos, testou positivo para o novo coronavírus (Foto: Getty Images)

A origem da pandemia de Covid-19 ainda está sendo investigada por pesquisadores mundo afora. Nesta semana, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump afirmou que o governo americano investiga rumores envolvendo um instituto de virologia da cidade de Wuhan.

-Publicidade-

Perguntado por um repórter se ele sabia de rumores de que a pandemia pode ter começado no instituto, Trump disse que “mais e mais, vem ouvindo essas histórias”, e que o governo americano está examinando a fundo a situação.

Do outro lado, o porta-voz do governo chinês disse, nesta sexta (17), que os Estados Unidos querem confundir o público. E que rastrear a origem do vírus é uma questão científica séria que depende de análise profissional.

-Publicidade-
(Foto: Getty Images)

Entenda o caso

Um estudo de autores da própria China, publicado em janeiro na revista científica The Lancet, já colocava em dúvida a explicação do governo chinês para a origem da infecção. De acordo com essa explicação, os primeiros pacientes teriam sido infectados em um mercado de Wuhan.

A investigação dos americanos segue a linha de que a transmissão em humanos teria começado no Instituto de Virologia de Wuhan. Nesse local, são estudados coronavírus que atingem morcegos. Estudos indicam que o vírus da Covid-19 veio de um morcego. A hipótese que Trump diz estar examinando é se alguém dentro do laboratório foi infectado por um animal e, sem querer, levou o vírus para fora.

O laboratório de Wuhan

O Instituto de Virologia de Wuhan tem certificação de segurança nível quatro, o mais alto em biopesquisa. No entanto, um texto publicado no “Washington Post” nesta semana afirma que diplomatas americanos visitaram o laboratório em 2018 e alertaram Washington sobre algumas condições inadequadas de segurança.

Segundo o jornal, os telegramas da embaixada afirmaram que o trabalho do laboratório era importante e pediram ajuda para resolver fraquezas na segurança. Na ocasião, os americanos que visitaram as instalações afirmaram que estavam preocupados com a falta de treinamento dos funcionários do laboratório.

(Foto: Getty Images)

Investigações ainda são inconclusivas

Até agora, as investigações sobre isso são inconclusivas, disse o general Mark Milley, chefe do Estado Maior das Forças Armadas dos EUA. Ele afirmou que “o peso das evidências” indica que o novo coronavírus é natural, mas que não sabe ao certo.

Uma pesquisa publicada na revista científica Nature, uma das mais respeitadas do mundo, concluiu que o Sars-Cov-2 não foi desenvolvido nem manipulado em laboratório. Shi Zhengli, o principal pesquisador do instituto de virologia de Wuhan nega que a transmissão em humanos tenha se iniciado no instituto. A França também afirmou que não há evidência de nenhum elo entre o novo coronavírus e o laboratório com a maior certificação de segurança que existe.

Fonte: G1

Agora, você pode receber notícias da Pais&Filhos direto no seu WhatsApp. Para fazer parte do nosso canal CLIQUE AQUI!

-Publicidade-