Gráfico mostra velocidade de contágio da nova variante ômicron

A OMS (Organização Mundial de Saúde) anunciou detalhes sobre a nova cepa do SARS-CoV-2, a ômicron, descoberta originalmente na África do Sul há cerca de duas semanas

Resumo da Notícia

  • Um gráfico mostrou a velocidade de contágio da nova variante do coronavírus
  • Ela foi chamada de ômicron e anunciada há cerca de duas semanas pela OMS
  • O gráfico compara a rapidez de transmissão da ômicron com as variantes Beta e Delta

Um gráfico divulgado pelo jornal inglês “Financial Times” mostra a rapidez de contaminação da nova variante do coronavírus. Chamada de Ômicron, ela foi comparada na imagem com as variantes Delta e Beta.

-Publicidade-
Gráfico mostra rapidez com que nova variante do coronavírus se espalha (Foto: Reprodução Financial Times)

O que sabemos até agora

Nesta sexta-feira, dia 26 de novembro, a OMS (Organização Mundial de Saúde) anunciou detalhes sobre a nova cepa do SARS-CoV-2, a ômicron, descoberta originalmente na África do Sul há cerca de duas semanas atrás. Recentemente, esta nova variante se tornou motivo cada vez maior de preocupação por parte dos cientistas.

De acordo com eles, a ômicron surpreendeu os pesquisadores por conta da quantidade de mutações que essa cepa apresenta, oito vezes maior do que as demais outras já identificadas e classificadas. A explicação dos cientistas para o número inédito é a de que, pelo fato de apenas 7% dos habitantes do continente africano estarem totalmente vacinados, a disseminação e surgimento do vírus são facilitadas.

Segundo a OMS, a nova cepa descoberta na África do Sul já está circulando em alguns países do mundo. O Brasil ainda não identificou nenhum caso da “variante preocupante”, entretanto a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) recomendou que as autoridades adotem restrições de voos a seis países africanos, sendo eles a África do Sul, Botsuana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue.

“A ômicron tem um conjunto de mutações em número inédito na proteína Spike: são 32 alterações entre mutações e deleções, sendo dez na região RBD [principal sítio de ligação às células e um dos principais alvos de anticorpos]. Nas demais variantes de preocupação, esse número de mutações [na Spike] fica entre três e quatro”, explica a OMS.