Homem é condenado a 21 anos de prisão por matar mulher e enterrar corpo no quarto da mãe

Rivânia Pereira da Silva foi esquartejada e enterrada sob o cimento, no quarto da mãe do assassino, que colaborou com o crime. O homem foi condenado a 21 anos de prisão e segundo investigações, influenciou a irmã mais nova a ajudar no crime

Resumo da Notícia

  • Rivânia Pereira da Silva, 40, foi esquartejada por Symon de Souza Mendes, 20, e teve o corpo concretado embaixo da cama da mãe do assassino
  • O caso aconteceu em 30 de novembro de 2020, em Juiz de Fora, Minas Gerais
  • Segundo investigações, a irmã mais nova de Symon foi coagida a ajudar no crime

Rivânia Pereira da Silva, 40, foi esquartejada por Symon de Souza Mendes, 20, e teve o corpo concretado embaixo da cama da mãe do assassino, que colaborou com o crime. O caso aconteceu em 30 de novembro de 2020, em Juiz de Fora, Minas Gerais. Segundo investigações, a irmã mais nova de Symon foi coagida a ajudar no crime.

-Publicidade-

Conforme o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), que divulgou a sentença nesta segunda-feira (23/5), a pena aplicada considera, ainda, os crimes de ocultação de cadáver e corrupção de menores. O rapaz teve negado o direito de recorrer em liberdade durante o julgamento ocorrido no Fórum Benjamin Colucci, no município, na última quinta-feira (19/5).

Em conjunto com a mãe, de 38 anos, o namorado dela à época, de 23, também é apontado na denúncia por premeditar e planejar a execução de Rivânia, que aconteceu em novembro daquele ano. A irmã de Symon – atualmente com 19 anos e que era adolescente no dia do crime – foi, no entendimento da Justiça, corrompida por ele a auxiliar no assassinato. Contudo, os três entraram com recurso visando evitar um julgamento popular e, por isso, a Justiça ainda definirá as datas em que eles serão julgados.

Rivânia foi morta em 2020 e enterrada no quarto da mãe do assassino
Rivânia foi morta em 2020 e enterrada no quarto da mãe do assassino (Foto: Reprodução/MPMG/Redes Sociais)

Em 6 de julho de 2020,  Rivânia Pereira da Silva transferiu a título de empréstimo – por sugestão da mãe do réu durante um atendimento espiritual – a quantia de R$ 26 mil para a conta de Symon, apontou a denúncia oferecida pelo Ministério Público mineiro. Após a vítima solicitar o dinheiro, os suspeitos atraíram a mulher até a residência sob alegação de que iriam pagar o valor e a executaram em 30 de novembro de 2020. O corpo de Rivânia foi encontrado menos de 15 dias depois, em 14 de dezembro, pela Polícia Civil.

Segundo a denúncia do Ministério Público, o crime foi cometido por motivo torpe, por meio de emboscada, e praticado de forma cruel, já que Rivânia foi estrangulada e agonizou por cerca de 40 minutos “até ser colocada debaixo do chuveiro e ir a óbito”. “Eles alegaram que gastaram o dinheiro dela. Além disso, também utilizaram seu cartão de banco, realizaram saques em caixas eletrônicos e subtraíram objetos em seu apartamento”, explicou, à época do crime, o titular da Delegacia Especializada de Homicídios, delegado Rodrigo Rolli.

Durante a sessão do Tribunal do Júri na semana passada, o promotor de Justiça Lucas Nacur Almeida Ricardo destacou que os envolvidos ocultaram o corpo, que foi colocado em um tambor metálico com cimento, areia, cal e ferramentas, e enterrado embaixo de um sofá no quarto da mãe. Por fim, uma das acusadas teria, ainda, usado documentos e cartões que estavam na posse da vítima para furtar R$100 de uma conta bancária em nome da mãe da mulher morta.