Inspiração! Jovem com paralisia cerebral realiza sonho de ser bailarina

Luiza Pitanga, de 18 anos, sempre teve o sonho de ser bailarina quando crescesse e, apesar das críticas, isso nunca a impediu de viver o sonho

Resumo da Notícia

  • Inspiração! Jovem com paralisia cerebral realizou sonho de ser bailarina;
  • Luiza Pitanga, hoje com 18 anos, tinha o sonho de ser bailarina quando crescesse;
  • A mãe, Mônica, e a filha compartilham um projeto de acessibilidade e inclusão.

Mônica Pitanga se viu em frente a uma missão impossível, quando a filha Luisa, ao 7 anos, contou à mãe o desejo de ser bailarina, após realizar uma atividade escolar que questionava ‘O que você quer ser quando crescer?”. Mesmo com o diagnóstico de paralisia cerebral desde o nascimento, além de uma doença rara que prejudica os movimentos, a jovem, hoje com 18 anos, realizou seu sonho e foi além: Criou, ao lado da mãe, campanhas de conscientização e inclusão de pessoas com deficiência.

-Publicidade-

Ao Fantástico, Mônica e Luisa compartilharam detalhes de sua história. A mãe engravidou aos 23 anos, e com 7 meses de gestação, descobriu uma apendicite. Por conta disso, Luisa nasceu prematura e precisou ficar 28 dias na Unidade de Terapia Intensiva(UTI), onde recebeu o diagnóstico de paralisia cerebral.

Aos 10 anos, os médicos descobriram outra doença extremamente rara: Charcot Marie Tooth, abreviada como CMT. A CMT gera hiperssensibilidade e fraqueza nas extremidades do corpo, como mãos e pés, já que os impulsos nervosos não chegam com a intensidade necessária.

“Pensei ‘meu deus, como ela vai ser bailarina, se não consegue nem andar?’ Na cabeça de um adulto, isso é impossível. Aí fiquei sofrendo”, conta Mônica.

Mônica e Luisa dançando juntas
Mônica e Luisa dançando juntas (Foto: Reprodução/Fantástico)

Com o tempo, a mentalidade de Mônica mudou. Em uma viagem para comemorar os 15 anos de Luisa nos Estados Unidos, a família alugou uma scooter elétrica, que ajudou Luisa a aproveitar diversos passeios e localidades, com independência. A viagem despertou em Luisa o desejo de ajudar as pessoas que tem as mesmas condições que ela.  Assim, ela e a mãe criaram o projeto Mova-se, uma ONG que luta pela acessibilidade e inclusão.

E foi também uma ONG, em parceria com uma companhia de dança, que tornou o sonho de Luisa de ser bailarina real. Ela e a mãe estrelam um espetáculo onde dançam juntas.