Família

Mãe desabafa: “Vocês precisam entender que pai não é babá”

Seu parceiro não é coadjuvante na criação do seu filho, vocês dois precisam ser protagonistas

Jéssica Anjos

Jéssica Anjos ,filha de Adriana e Marcelo

(Foto: Getty Images)

(Foto: Getty Images)

A americana Jenna Autuori Dedic contribui com textos para o site da revista Parents e desta vez falou sobre a expectativa das mães colocarem o pai na condição de coadjuvante:

“As mulheres colocam uma expectativa irrealista em ser uma espécie de supermãe, deixando o pai nas sombras. Cooperação entre os pais nem sempre significa 50-50, mas significa que o pai faz parte da equação também. Escrevo para tentar te ajudar a deixar o seu parceiro ser o protagonista na criação do seu filho tanto quanto você.

Recentemente, quando eu estava me aproximando do terceiro trimestre da minha segunda gravidez, meu marido decidiu que queria fazer uma viagem de uma semana para visitar sua família na Bósnia. Nossa filha de quatro anos, Evie, estava na escola, então essa era uma viagem que ele teria que fazer sozinho. Ou então isso foi o que eu pensei.

Dias depois, ele me solta essa: ‘talvez eu leve a Evie sozinha desta vez’.

Fiquei sem palavras e não entendi porque eu estava com dificuldade de dizer: ‘parece incrível, reserve as passagens!’ Embora nossos deveres como pais não estejam divididos 50 a 50 – meu marido trabalha por muitas horas, então eu trabalho em casa – nós dois fazemos a nossa parte para sermos pais igualmente, seja qual for o sentido de igualdade para a nossa família. Somos uma ótima equipe e confiamos um no outro.

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Então, o que estava tão errado com ele querer levar nossa filha em uma viagem sozinho? Ele cuida da nossa filha se eu viajo com amigos nos fins de semana, mas uma semana só com o papai pareceu diferente. Quando falei com meus amigos sobre isso, percebi rapidamente que não sou a única mãe que está hesitante em passar o bastão dos pais para o pai. Mas por que estamos tão confortáveis em tratar nossos parceiros como se eles fossem a babá de fim de semana e não um parceiro de criação igual?

A viagem do meu marido nunca aconteceu, então acho que me esquivei dessa bala por enquanto. Mas isso abriu meus olhos para a facilidade com que nos encaixamos em papéis muito tradicionais e específicos de gênero quando se trata de pais.

Eu estou em casa cuidando da nossa filha e meu marido é o provedor da família. E não estamos sozinhos: as pesquisas descobriram que, quando nasce o primeiro filho, homens e mulheres se tornam mais tradicionais em suas atitudes de gênero em relação à maternidade, bem como em relação a quem trabalha na casa e cuida.

‘Quando a mãe passa a tocha para o pai quando chega em casa, geralmente é com ressentimento que vem do trabalho duro de um dia; ela está implicitamente fazendo o pai sentir que ele não faz o suficiente e sua paternidade vem de um lugar de obrigação ao invés de desejo’, explica Jeanette Raymond, psicóloga licenciada, psicoterapeuta e especialista em relacionamento familiar em Los Angeles.

Meu subconsciente me leva a acreditar que meu marido não é o suficiente, então quando ele faz alguma coisa, parece que estou jogando minha filha para uma babá que precisa de um manual de instruções, ao invés de seu próprio pai, que é perfeitamente capaz.

E nossa sociedade apóia ainda mais essa dinâmica desequilibrada aplaudindo os pais pelas contribuições que dão. Quando o juiz Brett Kavanaugh foi indicado como o mais novo membro da Suprema Corte, todo um artigo foi dedicado a suas excelentes habilidades como pai. Ele foi celebrado por “correr pela cidade apenas para pegar os últimos 15 minutos do jogo de [sua filha]”. Se isso fosse escrito sobre uma CEO de alta potência, posso apostar que a narrativa seria sobre o quanto foi horrível que ela tenha perdido os primeiros 45 minutos. Então, por que os pais recebem os cumprimentos?

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Algumas semanas atrás, Jenny Mollen, autora de best-sellers do NYT, foi até o Instagram (@jennymollen) para falar com seus seguidores que perguntam se ela se sente sortuda por seu marido, Jason Biggs, ser um pai envolvido. Sua resposta: não. “Ninguém diria a um homem: ‘você é tão sortudo que sua esposa alimenta e dá banho nos seus filhos’.”

Realmente, eu acho que as mulheres permitem isso. Como mães, somos consumidas com tanta culpa, seja com nossos filhos ou longe deles. E então o problema se torna projetar nossa culpa em outras mães ao nosso redor que estão fazendo algo diferente. do que podemos fazer. De repente, deixar o pai cuidar da casa por uma noite faz você se sentir uma mãe ruim.

Pegue uma recente postagem no Instagram com Khloe Kardashian se divertindo em um evento de caridade três meses após dar à luz sua filha, True. Um fã comentou: “Quem está olhando a bebê dela?” com um rosto de emoji de juiz. Khloe retrucou no Twitter: “O pai dela está olhando enquanto eu estou tentando ajudar uma organização incrível. Mas o que há de errado com uma nova mãe deixar o papai assumir a responsabilidade dele?”.

Os fãs inundaram o feed com palavras de apoio e cumprimentos, mesmo indo tão longe ao ponto de apontar o óbvio: “Não é a década de 1950. Os pais vigiam seus filhos e as mães são autorizadas a sair”.

Leia também:

3 passos para ser um pai educador

Pai, seu papel é muito importante no desenvolvimento de seus filhos!

10 coisas que um pai de menino aprende