Mãe pega filho prematuro nos braços pela primeira vez após conhecê-lo por chamada de vídeo

Cristini de Andrade Griboski, de 29 anos, precisou passar por uma cesariana de emergência e desde o parto só havia visto seu bebê por uma chamada de vídeo. Dias após o ocorrido, a equipe do hospital promoveu um encontro para que a mãe pudesse segurar o filho nos braços pela primeira vez

Resumo da Notícia

  • Cristini de Andrade Griboski, de 29 anos, precisou passar por uma cesariana de emergência
  • Desde o parto só havia visto seu bebê por uma chamada de vídeo
  • Dias após o ocorrido, a equipe do hospital promoveu um encontro para que a mãe pudesse segurar o filho nos braços pela primeira vez
  • Cristini e o bebê não têm previsão de alta do hospital

Cristini de Andrade Griboski, de 29 anos, segurou pela primeira vez nos braços o filho recém-nascido após dar à luz. Desde o nascimento do bebê, chamado Cássio, Cristini só havia visto a criança através de uma chamada de vídeo porque estava contaminada com a covids-19. O encontro tão esperado aconteceu na última quarta-feira, 28 de julho, em Rio do Sul.

-Publicidade-

O pai de Cássio, Charles Jonas Griboski, também estava presente no momento do primeiro encontro entre mãe e filho. A reunião familiar durou cerca de uma hora e meia. O bebê, que nasceu em 21 de julho, esteve com a mãe apenas virtualmente e somente uma vez.

Os dois ainda estão internados. Cássio está na Unidade de Terapia Intensiva neonatal, enquanto Cristini se recupera da infecção viral em um quarto na enfermaria. O bebê só receberá alta do hospital após ganhar peso o suficiente. De acordo com informações do Hospital Regional do Vale, ainda não há previsão para que isso aconteça.

Mãe pega o filho nos braços pela primeira vez após parto prematuro (Foto: Hospital Regional do Vale/Reprodução)

Quem organizou o grande encontro entre mãe e filho foi o próprio hospital. Cristini se emocionou ao segurar Cássio nos braços pela primeira vez e interagiu muito com o menino, sempre ao lado de seu companheiro e pai do bebê.

Cristini foi internada em 3 de julho e precisou passar por uma cesárea em 21 de julho. Cássio nasceu prematuro, com 35 semanas e quatro dias e é o segundo filho do casal. No dia após o nascimento, ela chegou a conhecer o bebê por uma videochamada, mas o marido dela contou que Cristini não se lembrava de muita coisa por causa do efeito dos remédios.

Para que ela pudesse passar um pouco mais de tempo ao lado do filho, que segue internado na UTI neonatal, a equipe do hospital resolveu promover o encontro entre Cristina e Cássio. Foi no final do oitavo mês de gestação que o companheiro de Cristini foi diagnosticado com covid-19. Poucas horas delas, ela foi internada e os médicos decidiram realizar o parto dela.

“A equipe médica fez o parto para ela poder se recuperar [da Covid]. Ele estava bem e sendo acompanhado. Foi feito para ela poder lutar por ela mesma. Tanto é que à noite, no mesmo dia do parto, o respirador já foi retirado”, contou Charles em entrevista ao G1.

Cristini vê o filho pela primeira vez após o parto (Foto: Hospital Regional do Vale/Reprodução)

“Para nós, foi um baque grande, já que esperávamos o neném para o começo do mês que vem, e as coisas mudaram. Foi tudo bem mais rápido e mais complicado do que esperávamos. Mas estamos na expectativa de que, em alguns dias, todos estarão em casa”, disse o pai.