Médica cria “Prontuário Afetivo” personalizado para pacientes com covid-19 e gera onda de empatia

A ideia da profissional era desenvolver um tratamento mais humanizado

Resumo da Notícia

  • Em meio a tantas notícias ruins, uma médica chamada Isadora Jochims  desenvolveu o "Prontuário Afetivo";
  • Essa foi uma nova forma de mostrar empatia, no hospital em que trabalha, no Distrito Federal;
  • A ideia era desenvolver  um tratamento mais humanizado.

Em meio a tantas notícias ruins, uma médica chamada Isadora Jochims  desenvolveu o “Prontuário Afetivo”, uma nova forma de mostrar empatia, no hospital em que trabalha, o Hospital Universitário de Brasília, o HUB, no Distrito Federal.

-Publicidade-

A reumatologista de 35 anos resolveu transformar alguns dos ambientes hospitalares focados em covid-19 com mensagens acolhedoras de carinho e de esperança. As divisões dos leitos, os recipientes de álcool em gel e até os prontuários.

Sim! Todos os pacientes intubados por complicações e agravamento do Coronavírus no hospital, ganharam prontuários personalizados que iam além das informações clássicas, como nome, idade, sexo e afins. A intenção era lembrar a todos das pequenas coisas que fazem os pacientes sorrirem.

Médica cria prontuário afetivo (Foto: Reprodução / Instagram)

A médica contou com a ajuda de amigos e familiares dos pacientes para ajudarem a desenvolver um tratamento mais humanizado. “Gosta de música de cantoria e viola”, “torcedor fanático do Palmeiras”, “[contar que o] Palmeiras ganhou”, “gosta de barulho de água e de passarinho”, “gosta de Raul Seixas”, “gosta de música sertaneja raiz” e “cante pra ele” são algumas das mensagens que aparecem no post que Isadora fez no Instagram na útima segunda-feira, 29 de março.

No Instagram, a profissional explicou: “Cansada de ouvir que estamos em uma guerra, resolvi fazer essas intervenções artísticas no covidário que trabalho”. A iniciativa já viralizou nas redes sociais e vem sendo reproduzida por outros profissionais de saúde na linha de frente da pandemia.

A ideia foi replicada por outros médicos (Foto: Reprodução / Instagram)