Miá Mello conta sobre seu nascimento prematuro: “Melhor batizar senão vai morrer sem nome”

No segundo episódio do POD&tudo, a atriz contou que nasceu no sétimo mês de gestação através de um parto induzido

Resumo da Notícia

  • Mia Mello participou do segundo episódio do podcast da Pais&Filhos
  • Ela contou sobre o seu nascimento conturbado no sétimo mês de gestação
  • A atriz explicou o motivo do seu apelido e nome artístico, Miá

A atriz Mia Mello participou do segundo episódio do podcast da Pais&Filhos. Durante sua participação, ela contou sobre o seu nascimento conturbado no sétimo mês de gestação, que resultou em seu nome ser Marília. Ela ainda explicou o motivo do seu apelido e nome artístico, Miá.

-Publicidade-

A artista, que tem duas irmãs, explicou que quando sua mãe, Marcilene Melo, ficou grávida da segunda filha, o ultrassom da época, que não era tão evoluído como o de hoje, mostrava dois bebês. Mas, no dia do nascimento descobriram que, na verdade, se tratava de um mioma. Aquilo significava que Marcilene não poderia engravidar novamente, mas, quatro anos depois, a mãe dela ficou grávida. “A médica recomendou ela a não seguir com gravidez, porque era perigoso para ela. Mas ela pensou ‘se nem era para eu engravidar e eu engravidei, eu vou ter essa criança’, porque era meio que impossível ela engravidar”, explicou a atriz.

Miá conta que a mãe teve uma sensação de que a terceira gestação era uma sinal, portanto ela iria seguir adiante e teria essa criança. No sétimo mês de gestação, a médica afirmou que não era possível continuar e, por isso, a bebê deveria nascer. “Então não foi que eu nasci de sete meses, prematura. Foi um parto induzido, eu nasci muito mal, eu tirei nota três, aquela nota que você recebe quando nasce, e fiquei internada quase um mês”, conta ela, que nasceu em fevereiro de 1981. Por ter nascido antes do tempo, ela precisou ficar um mês internada no hospital: “Eu fiquei muito feia, as pessoas iam me visitar e ficavam constrangidíssimas”.

Além dos problemas dela, a mãe também teve complicações com os pontos realizados no parto, por isso não podia visitar a recém-nascida internada. “Eu fiquei lá internada um mês e minha mãe não podia ir lá me ver. Então meu pai ia e ficava horas lá me vendo pelo vidro da UTI”, diz Miá. Outro desafio era a médica da mãe e filha, que acabava sendo grossa e insensível diante da situação delicada da família. Inclusive, a profissional deu uma dura no pai de Miá, Odilon Melo. “É melhor batizar senão vai morrer sem nome”, falou a médica para o pai.

O pai da atriz precisou ir sozinho fazer a certidão de nascimento da filha. Acontece que a mãe queria dar o nome de Maíra para a terceira filha, mas, na hora do registro, o pai de Miá esqueceu o nome e resolveu colocar Marília. “Quando ele voltou minha mãe falou beleza, não foi uma questão. Ela devia estar tão mal que nem ligou”, pensou ela. A mãe de Nina e Antônio informou que ela se chamaria Bruno, caso fosse um homem.

A mãe da atriz, que não conseguiu amamentar sua outras filhas, produziu muito leite nesta gestação e, além de amamentar sua caçula, também abasteceu o banco de leite da maternidade. Após o longo período de internação, os pais da artista foram buscá-la no hospital para que ela pudesse, finalmente, ir para casa.  “Então quando eu cheguei em casa, a minha irmã falou ‘a Miá chegou’. Então eu sou Miá desde meu um mês de vida”, explicou Miá.

Confira o bate-papo completo com a atriz no vídeo abaixo: