Mulher de 116 anos celebra Dia das Mães ao lado do único filho: “Ela é a força na vida dele”

Rita Maria da Conceição nasceu em 1905 e é apenas dois anos mais nova que a pessoa mais velha do mundo – a japonesa Kane Tanaka

Resumo da Notícia

  • Rita Maria Conceição tem 116 anos e passou o Dia das Mães ao lado do único filho, Pedro
  • A senhora nasceu dia 5 de março de 1905, e é apenas 2 anos mais nova que a pessoa mais velha do mundo
  • Rita mora no Sítio Bandeira, localizado na zona rural de Brejo da Madre de Deus, no Agreste de Pernambuco

Rita Maria da Conceição têm 116 anos e mora no Sítio Bandeira, localizado zona rural do Brejo Madre de Deus, no Agreste de Pernambuco. Neste domingo, 9 de maio, comemorou o Dia das Mães ao lado do único filho Pedro, de 61 anos. Nascida em 5 de março de 1905, Dona Rita é apenas 2 anos mais nova que a pessoa mais velha do mundo: Kane Tanaka, residente do Japão e nascida dia 2 de janeiro de 1903.

-Publicidade-

Pedro contou ao Portal G1 que os primeiros registros de Dona Rita não foram encontrados, e que por isso foi necessária a solicitação da segunda via do RG através da análise de documentos de moradores de outras regiões. Além disso, Pedro conta que passou por uma infância de muitos sacrifícios – e, no meio deles, nunca deixou de se sacrificar em nome do filho e da família:

“Ela lutou muito para hoje eu estar aqui. Só mãe mesmo, porque ela deixava de comer e dormia com fome, pois a quantidade de comida que seria para uma criança, era pra eu e ela. Se repartisse, ela achava que eu ficaria com fome”, desabafou. Dona Rita ao longo da vida apenas uma vez e teve dois filhos – porém, perdeu o primeiro ainda recém-nascido, deixando para Pedro o legado do filho único.

Dona Rita celebra mais um Dia das Mães ao lado do filho Pedro (Foto: Reprodução/ Magno Wendel/ TV Asa Branca)

Contudo, o filho exerce muito bem o papel de cuidador da mãe. Há 13 anos, Dona Rita sofreu uma lesão que a impossibilitou de andar, e ainda soma-se a isso complicações na saúde advindas de um período em que contraiu chikungunya. Desde então, são da responsabilidade de Pedro os cuidados indispensáveis para a saúde da mãe.

”Ele não é ninguém sem a mãe dele. A força que ele tem na vida é a mãe dele. Se um dia ela se for [morrer], eu não sei o que vai ser da vida de Pedro”, contou a esposa do senhor, Josefa Maria do Nascimento. E, quando questionada sobre viver ainda mais, Rita se mostra cheia de esperança no futuro: “Eu quero viver. Eu nem mato, nem roubo e nem insulto. A gente não se domina, quem nos domina é Jesus”, declarou.