Mulher que matou filho autista envenenado não demonstra remorso, afirma delegado

Romério Sampaio Vaz colocou chumbinho na água e na comida da criança de 5 anos e confessou o crime, dizendo que pelo fato de ser autista, “mexia nas panelas e desarrumava a casa”

Resumo da Notícia

  • Mulher que matou filho por ser autista é presa
  • Em depoimento para a polícia, ela não demonstrou remorso
  • Ela confessou que envenenou a criança de 5 anos, porque desarrumava a casa

Na última quinta-feira, 5 de maio, uma mulher foi presa depois de matar o próprio filho, de 5 anos, envenenado. Ao ser pega em flagrante junto de outras mulheres após enterrarem o corpo do menino, ela confessou o crime e justificou a atitude por ele ser autista.

-Publicidade-
Mulher que envenenou o filho por ele ser autista não se arrepende do crime
Mulher que envenenou o filho por ele ser autista não se arrepende do crime (Foto: Getty Images)

O caso que aconteceu na Bahia, chamou ainda mais a atenção dos agentes da 12ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin) de Ibiquera pelo relato da mãe, que explicou que o menino “mexia nas panelas e desarrumava a casa”.

Segundo o delegado da Coordenadoria, Geraldo Adolfo, a mãe, Romério Sampaio Vaz, não apresentou nenhum tipo de remorso ao falar com a polícia. “Confessou o crime com tranquilidade”, informou ao G1.

Ela informou que colocou chumbinho na água e na comida da criança. Romério e as outras duas mulheres encontradas com ela foram presas. Além delas, acredita-se que o avô do menino também está envolvido no caso, e está sendo procurado.

A criança, que faleceu no dia 1º de maio foi encontrada em uma cova rasa, em local de difícil acesso. Em um primeiro momento, ao ser questionada pela polícia onde estaria o menino, ela disse que ele estava viajando, mas depois confessou o crime.

As três mulheres, de 31, 39 e 59 anos, foram autuadas em flagrante, na Delegacia Territorial de Itaberaba, pelo crime de destruição, subtração ou ocultação de cadáver. A mãe também vai responder por homicídio. O caso segue sob investigação.