Mulher se “casa” com o sogro para poder ver marido no exterior

Paula se uniu oficialmente com Augusto Silva Filho – e o motivo tem tudo a ver com a pandemia

Resumo da Notícia

  • Uma mulher teve que se casar com o próprio sogro para poder se reunir com o marido
  • Paula e Augusto da Silva Filho foram ao cartório realizar a união
  • O motivo, mais do que por amor, tem tudo a ver com a pandemia da covid-19

Uma mulher casou-se com o próprio sogro por causa da pandemia da covid-19. É isso mesmo! Paula e Augusto da Silva Filho oficializaram a união em um cartório enquanto Guilherme – o namorado de Paula – assistia tudo por chamada de vídeo.

-Publicidade-

Paula e Guilherme se conheceram por meio de um aplicativo de namoro e, por causa da pandemia, não conseguiram se ver pessoalmente por meses e meses. Pior ainda, tempos depois, o rapaz teve que se mudar para a Holanda por causa do trabalho e eles continuaram o relacionamento ainda mais à distância.

Paula e Guilherme ficaram meses conversando apenas online
Paula e Guilherme ficaram meses conversando apenas online (Foto: Reprodução/ G1)

Contudo, mesmo com a crença de que namoros distantes não duram muito, Paula e Guilherme se superaram – e noivaram no ano passado. O casal havia vivido apenas encontros virtuais, mesmo mantendo contato diariamente. Após alguns empecilhos – como fronteiras fechadas e a empresa do rapaz não permitindo que ele viesse ao Brasil, eles finalmente puderam se reencontrar.

“A tecnologia foi muito boa pra gente. A gente já tinha se conhecido de uma maneira que poucas se conhecem em encontros [presenciais]. Então, não teve susto quando a gente se encontrou. Até o apartamento dele eu já conhecia”, contou Paula, ao G1. “A gente tentou que ele viesse, mas a empresa não recebeu bem porque estava aquela loucura dos índices da pandemia por aqui. E eu não podia ir porque o voo para lá estava banido. A declaração dos parentes era a última coisa”, contou ele.

O casamento com o sogro

Foi na Holanda, quando o casal finalmente pôde se reencontrar, que Paula foi pedida em casamento. A noiva conseguiu ver o parceiro algumas vezes depois da primeira viagem em que se encontraram e noivaram mas, novamente, o agravamento da pandemia separou Paula e Guilherme.

O casal, que não queria adiar a união oficial, pensou em diversas alternativas para se casar. Até que, em última instância, optaram por ele: Augusta da Silva Filho, sogro de Paula e pai de Guilherme, para ser o representante legal do filho na cerimônia no cartório.

Augusto e Paula celebraram o momento!
Augusto e Paula celebraram o momento! (Foto: Reprodução/ G1)

“Ele topou na hora, ficou animadíssimo. Ele adora uma função, mas quando a gente foi para o cartório, ele me perguntou que loucura toda era essa. Isso na porta do cartório. Falei para ele perguntar para o filho dele, que tinha me pedido em casamento”, brinca Paula, sobre a data.

A noiva relembra ainda que, ao fechar o pacote completo da festa, contou que fotógrafo e uma celebração intensa para os “pombinhos”. Tentou explicar diversas vezes que só queria assinar o documento, porque não se tratava de seu noivo ali, mas não conseguiu. Por isso, entrou na brincadeira.

“Eu tentava explicar que não queria nada, porque ele não era o noivo. Mas ninguém entendia nada, por causa das máscaras e da história mesmo. E no final me rendi, caí em tudo. Até o ramalhete mais caro minha mãe escolheu”, conta ela. “Mas fiquei esperando minha lua de mel porque não queria que fosse por procuração”, brinca.

Mesmo com muitos perrengues, Paula comemora o casamento com o amor de sua vida – e a parceria das famílias em todo o processo. “Nem pandemia, esse vírus doido, distância intercontinental. Nada conseguiu nos impedir, porque a gente estava comprometido em fazer dar certo. E valeu muito”, finaliza ela.