Nathalia Dill faz relato impactante sobre a visão equivocada que tinha da maternidade

A atriz Nathalia Dill que já vivenciou muitos papéis de mãe nas obras televisivas. Mas, agora, ela comenta sobre a diferença entre a maternidade na vida real

Resumo da Notícia

  • A atriz Nathalia Dill fez um relato impactante sobre a maternidade
  • Ela já protagonizou papéis de mãe na televisão. Mas, agora, fala do contraste com a vida real
  • A artista é mãe da Eva, bebê de 1 ano e 4 meses. Fruto de seu relacionamento com o Pedro Curvello

A atriz Nathalia Dill, de 36 anos, já protagonizou alguns papéis de mãe enquanto atuava em uma obra televisiva, bem como também já vivenciou os altos e baixos de uma gestação – desde o teste positivo até o nascimento e criação. No entanto, na vida real, a artista afirma que mesmo passado por algumas vivencias acerca da maternidade, tudo saiu diferente com a Eva, sua filha de 1 anos e 4 meses, fruto do relacionamento com o Pedro Curvello.

-Publicidade-

Durante evento da marca Chicco, a Nathalia começou dizendo: “Sonhava em ser mãe mas, depois que fui, percebi que tinha uma visão torta e equivocada do que realmente seria na prática. É engraçado como a gente planeja e, no meu caso, até ensaia, quando fazia cenas da notícia do ‘positivo’. Porém, quando realmente aconteceu comigo, foi totalmente diferente”, relembra.

Nathalia Dill falou sobre culpa na maternidade
Nathalia Dill falou sobre culpa na maternidade (Foto: reprodução/Instagram/@nathaliadill)

Em complemento, falou: “O medo veio de uma forma realmente avassaladora. Mas, tive muitas ajudas. Liguei para várias amigas, como a Sabrina Petraglia, que foi um anjo e me ajuda até hoje”.

Culpas que aparecem na maternidade

A Nathalia também contou sobre como a maternidade se relaciona com a sociedade: “Há uma cobrança tão intensa que a culpa vem de várias formas. Por exemplo, minha filha não teve nada, não chorava a noite inteira, não tinha cólicas. E eu pensava ‘Caramba, por que eu estou tão exausta?'”, reflete.

“Não é por que você não está dentro de um padrão de experiência que também não está sendo difícil, exaustivo. Para mim, estou descobrindo a maternidade ‘possível’, porque achava que iria dar conta de tudo e que tinha tudo planejado. Mas precisamos nos descobrir nessa jornada. O ponto é como a banda vai tocar dentro da maternidade de cada uma”, contou.

Sobre o sentimento de culpa, a artista falou sobre a terceirização do cuidados dos filhos: “A meu ver, a grande maioria das pessoas gostaria de não terceirizar os cuidados com os filhos e de estar perto, vivendo o dia a dia deles. Mas, a sociedade parece não permitir isso. Precisamos batalhar por uma evolução nesse sentido, por uma uma transformação estrutural e mais profunda”

“A gente acha que é culpa nossa de não estar perto dos filhos e ter que pedir ajuda. A sensação de incompetência é enorme”, finalizou.