Primeiro participante a chegar na pergunta do milhão irá investir o dinheiro com a família e estudos

Rafael Cunha foi o primeiro participante da história do quadro “Quem quer ser um milionário” no Brasil, a chegar na última pergunta

Resumo da Notícia

  • Rafael de Andrade Cunha foi o primeiro na história do programa ao chegar a última pergunta
  • O homem saiu do programa com R$ 500 mil
  • Ele deseja investir o prêmio com a família e estudos

Neste último domingo, 26 de dezembro, o professor Rafael de Andrade Cunha, de 42 anos, ficou conhecido por ser o primeiro participante da história do programa “Quem quer ser um milionário”, do Domingão do Huck, a chegar na pergunta do milhão.

-Publicidade-

Rafael finalizou o programa com R$ 500 mil após desistir de responder a última questão por não saber a resposta. Para quem ficou curioso, a alternativa correta é rei, o nome Bluetooth foi inspirando no Rei Dinamarquês Harald Blatand.

O primeiro participante que chegou a última pergunta do "Quem Quer Ser Um Milionário" foi professor de Tata Werneck
O primeiro participante que chegou a última pergunta do “Quem Quer Ser Um Milionário” foi professor de Tata Werneck (Foto: reprodução/Globo)

“Eu realmente não tinha ideia da resposta. E o mais racional, naquele momento, que não tinha mais ajuda, era desistir. Desde o início do programa, meu objetivo era chegar o mais longe possível. Estava muito tenso, em estado de alerta, no início. Não queria passar vergonha de errar uma pergunta boba, por falta de atenção ou coisa assim. Gaguejava, falava devagar, absorvendo as palavras”, afirmou Rafael em entrevista ao Portal de Notícias G1.

Rafael afirmou que deseja investir o dinheiro nos estudos e na família. “Estou recebendo muitas mensagens, de amigos e ex-alunos que não vejo há mais de dez anos. Estou impressionado com o grande alcance, com a repercussão. Estou vivendo até mais que meus 15 minutos de fama. Mas como falei no programa, meu objetivo é proporcionar mais conforto e paz aos meus avós e meus pais. Não perdi meu foco”, continuou.

Para ele, as opções mais importantes para usar o dinheiro são os estudo e as pessoas quem ama, a família. “Eu realmente não tinha ideia da resposta. E o mais racional, naquele momento, que não tinha mais ajuda, era desistir. Desde o início do programa, meu objetivo era chegar o mais longe possível. Estava muito tenso, em estado de alerta, no início. Não queria passar vergonha de errar uma pergunta boba, por falta de atenção ou coisa assim. Gaguejava, falava devagar, absorvendo as palavras”, acrescentou ele.

“Vou perder rentabilidade. Vou me dedicar a proporcionar mais conforto à minha avó paterna, que tem 100 anos, e ao meu avô materno de 90 anos, que vive na Região Serrana, que requerem cuidados especiais dos meus pais e da família. Poderia pensar em trocar de carro, mas não. Vou programar uma viagem de férias com minha esposa para comemorar o prêmio. Não vou sair gastando por aí. Eu sei o que não quero fazer”, disse.

Além de professor, Rafael também é diretor-executivo de uma startup de educação e tecnologia. Ele afirmou que irá investir o valor ganho no projeto e que deseja passar um período fora do Brasil para estudar.