Relato de mãe: “Descobri que tinham resquícios do bebê após 7 meses que tive aborto espontâneo”

Ericka Hall é mãe de 4 filhos e sofreu um aborto espontâneo em Março e após longos meses de dor descobriram que ela havia desenvolvido cisto no ovário por conta dos resquícios

Resumo da Notícia

  • Ericka Hall sofreu um aborto espontâneo em Março deste ano
  • Após sentir muita dor durante 7 meses encontradas resquícios do bebê
  • Ela precisou fazer uma cirugia e se sente decepcionada com o Hospital

Ericka Hall, 38, é mãe de quatro filhos e disse que se sentiu decepcionada com a equipe do hospital depois que os resquícios foram encontrados no corpo sete meses após o aborto espontâneo. A mãe sofreu um aborto espontâneo na véspera do dia em que deveria fazer o exame de 12 semanas em março.

-Publicidade-

Ela foi examinada pela equipe do “Royal Stoke Hospital University” antes de receber alta. Mas quando a jovem de 38 anos chegou em casa, ela sabia que “algo estava errado”, pois ela continuava sangrando e “desmaiando”. Seguiu-se um procedimento para remover o material do útero que ainda permaneceu após a gravidez.

Meses depois, Ericka estava de volta com dores terríveis e saiu precisando de uma cirurgia no buraco da fechadura, relata o “Stoke-on-Trent Live”: “Eu descobri que tinha abortado um dia antes do meu exame. Fui ao hospital. Estava sentindo dor e disseram que poderia ser um implante ou infecção. Fui para casa. Ainda estava sangrando muito. Não parava de desmaiar, sabia que algo estava errado.

Meu parceiro chamou uma ambulância. Eles me levaram para o “Royal Stoke”, eu fiz exames e me deram fluídos e acabei fazendo uma transfusão de sangue. Mais tarde naquela noite, um médico me levou a um quarto, me examinou e tirou o resto do conteúdo do bebê. Tive alta no dia depois de pensar que tudo ficaria bem.”

Ericka disse que se sentia bem até alguns meses depois: “Achei que tivesse uma infecção. Comecei a sentir algumas dores. Fiz exame de urina no médico e não deu resultado. Aí a dor ficou muito forte, eu estava lutando para sair da cama e dormir. Não aguentava mais, então fui para o hospital, fui três vezes em 14 dias. Eles continuaram me enganando.

Eventualmente, eles me levaram e fizeram uma varredura e encontraram um cisto no meu ovário. Eles disseram que ainda havia alguns restos do bebê lá desde março. Isso fez com que meu apêndice piorasse e eu tive que passar por uma cirurgia de buraco de fechadura para removê-lo.”, contou Ericka.

Ericka, que mora com o companheiro John Holton e tem quatro filhos de 21, 11, oito e seis anos, diz que se sente decepcionada com o hospital: “Estou com raiva disso. Por que eles não verificaram depois do aborto se todo o conteúdo havia sumido? Eles não deveriam simplesmente mandar alguém para casa e sete meses depois você ainda está carregando resquícios de seu bebê. Eu não desejaria a dor que estou sentindo nem para o meu pior inimigo, foi horrível.”

Abortos espontâneos podem acontecer em mulheres que carecem de vitamina D no organismo (Foto: Freepik)

Ericka agora precisa voltar ao hospital para uma consulta no departamento de ginecologia. O “Royal Stoke” encorajou Ericka a entrar em contato com a “Equipe de Aconselhamento e Ligação com o Paciente” para que as preocupações possam ser investigadas. O vice-chefe de enfermagem Scott Malton disse ao “Stoke-on-TrentLive”: “Lamentamos muito saber da situação de Ericka. É sempre nosso objetivo fornecer os mais altos padrões de atendimento possíveis. Levamos muito a sério qualquer reclamação ou preocupação levantada pelos pacientes ou suas famílias e encorajamos Ericka a nos informar e falar com a Equipe de Aconselhamento ao Paciente e de Ligação, que pode investigar e fornecer suporte.”