Veja o que está por trás do desabamento da obra do metrô na Marginal Tietê

O incidente ocorreu hoje pela manhã na Linha 6-Laranja do metrô

Resumo da Notícia

  • Uma cratera foi aberta na Marginal Tietê em São Paulo
  • As autoridades explicaram o motivo do desabamento
  • O incidente ocorreu na linha-6 Laranja do Metrô

Nesta última terça-feira, 01 de fevereiro, ocorreu um desabamento na obra do Metrô da Linha 6-Laranja, na Marginal Tietê, Zona Norte de São Paulo. Uma cratera se abriu após o asfalto ceder ao lado da construção. O caso aconteceu por volta das 9h, antes da Ponte do Piqueri, sentido Ayrton Senna.

-Publicidade-

De acordo com José Galli, secretário dos Transportes Metropolitanos, o incidente aconteceu devido a um vazamento de uma galeria de esgoto. “Houve o rompimento da galeria [de esgoto] que passa no sentido transversal ao túnel e houve o início de vazamento às 8h21. O solo não aguentou. A tuneladora passava a 3 metros dessa galeria, portanto não houve um impacto da tuneladora com a galeria”, afirmou ele.

Obra do metrô de São Paulo desaba e abre cratera na Marginal Tietê
Obra do metrô de São Paulo desaba e abre cratera na Marginal Tietê (Foto: Reprodução/G1)

Ele também contou que, um “tatuzão” rompeu uma adutora, que acabou alagando a galeria, apesar de estar 3 metros abaixo do local. Também não houve um choque direto com ela. “Mas de alguma maneira houve o rompimento e esse problema tem que ser investigado”, acrescentou. “Estamos providenciando uma auditoria para identificar exatamente o que ocorreu e os responsáveis para que a gente adote as medidas cabíveis”, continuou.

“Essa galeria precisa ser reconstruída e a marginal precisa retomar. Toda a equipe da engenharia da Sabesp já está aqui. Já parou de chegar esgoto [na galeria], e está estável”, afirmou José, sobre o que será feito com a Marginal Tietê.

A Sabesp, em nota, afirmou que a prioridade, no momento, é liberar o trânsito da marginal, para dar solucionar o caso. “A prioridade número 1, liberação do trânsito na Marginal Expressa, CET já foi liberada pela Enel que também teve um envolvimento aqui. Agora a pista expressa vai ser liberada para melhorar o conforto e a velocidade média para chegar ao seu destino”, disse. José Galli também confirmou que não hé riscos para os imóveis próximos ao local do desabamento.