Bebê nasce dentro da bolsa amniótica da mãe em parto de gêmeos

O bebê gêmeo nasceu em uma condição rara dentro da placenta, envolto do líquido amniótico da mãe em Belém, no Pará

Resumo da Notícia

  • Gabriel é um bebê gêmeo que nasceu dentro da bolsa amniótica da mãe
  • A condição é considerada um fenômeno extremamente raro
  • O caso aconteceu em Belém, no Pará

O bebê gêmeo Gabriel, nasceu no dia 11 de outubro, em uma condição rara dentro da bolsa amniótica da mãe, no centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém. O caso, chamado de “parto empelicado”, surpreendeu toda a equipe médica que registrou o momento.

-Publicidade-

Os gêmeos Miguel e Gabriel são filhos da neuropsicóloga Carolline Sanches, de 29 anos, e do técnico de enfermagem Mariano Alves. Eles nasceram por meio de uma cesariana, que geralmente possui o rompimento da bolsa, no entanto, o caso de Gabriel foi diferente.

Bebê gêmeo nasce dentro da bolsa amniótica da mãe
Bebê gêmeo nasce dentro da bolsa amniótica da mãe (Foto: Reprodução / G1)

“Foi emocionante. Quando o cirurgião me chamou para romper a bolsa foi um sentimento único. Já havia ouvido falar que é um acontecimento raro e no momento que rompe a bolsa, me senti mais abençoado e também um pai de muita sorte”, contou o pai das crianças ao portal de notícias G1.

Uma criança nascer dentro da placenta da mãe já é considerado um caso extremamente raro, no entanto, quando o nascimento é de gêmeos, se torna mais raro ainda. Partos assim, ocorrem uma vez a cada 80 mil, segundo a literatura médica.

Bebê gêmeo nasce dentro da bolsa amniótica da mãe
Bebê gêmeo nasce dentro da bolsa amniótica da mãe (Foto: Reprodução / G1)

“Muitos obstetras não têm a oportunidade de presenciar o nascimento de um bebê empelicado durante a carreira .Em gêmeos, em particular, existem alguns casos relatados na literatura médica, mas são bem raros. Não tem como quantificar em palavras a emoção de participar deste momento único”, afirmou o médico José Fonseca que esteve presente no nascimento. “Este tipo de parto não traz qualquer risco para o bebê ou para a mãe e, em muitos casos, pode até ajudar a proteger bebê de alguma infecção que a mãe possa passar”, finalizou, contanto que essa situação pode trazer até benefícios à criança.