Gravidez

Mulheres se unem para driblar a licença-maternidade sem remuneração

Nos Estados Unidos, as mulheres têm 12 semanas de licença, mas não recebem durante esse período

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Já divulgamos dados da World Policy Analysis (WPAC), em parceria com a Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), que mostram que 92 países não oferecem licença-paternidade remunerada, o que é um absurdo. Mas, dessa vez, vamos falar sobre a licença-maternidade. De acordo com a Organização Internacional do Trabalho, somente 34 países cumprem a recomendação de 14 semanas de licença-maternidade remunerada.

O número já causa espanto, mas saber que os Estados Unidos, um dos países com mais poder econômico do mundo, não remunera as novas mães, é um choque ainda maior. No país, as mães recebem apenas 12 semanas de licença, mas nenhum centavo durante esse tempo. Dá para acreditar?

Por conta disso, as mulheres estão mudando algumas coisas no período da gravidez. O programa Good Morning America, muito popular nos EUA, debateu o assunto e sugeriu uma forma de mulheres se ajudarem para garantir segurança nesta fase da vida das futuras mães. Ao invés de presentes no chá de bebê, mulheres fazem doações de dias de férias para que a amiga grávida possa aproveitar o momento, sem parar de receber.

Se você tem curiosidade em saber como a licença-maternidade e paternidade funcionam no mundo, a WPAC criou um mapa interativo que compara essas leis no mundo todo. Acesse o site clicando