Bebê que nasceu com condição rara realiza cirurgia de 10 horas para remodelar crânio

Teddy Jones de apenas 18 meses precisou passar por um cirurgia um tanto delicada para remodelar o crânio, estima-se que um em cada 2.500 bebês nascidos no Reino Unido tenha cranioestenose

Resumo da Notícia

  • Teddy Jones de apenas 18 meses precisou passar por um cirurgia para remodelar o crânio
  • O bebê nasceu com cranioestenose, quando os ossos do crânio se uniram mais cedo do que o normal para crianças de sua idade
  • Estima-se que um em cada 2.500 bebês nascidos no Reino Unido tenha cranioestenose

Um bebê nasceu com um defeito raro no crânio que poderia tê-lo deixado cego. Teddy Jones, de North Yorkshire, na Inglaterra, passou por uma grande cirurgia para corrigir sua condição. O menino de 18 meses nasceu com cranioestenose, quando os ossos do crânio se uniram mais cedo do que o normal para crianças de sua idade. Isso pode significar que não há espaço suficiente para o cérebro crescer.

-Publicidade-

Se não for tratado, seu cérebro poderia ter crescido demais para o crânio – o que poderia levar à cegueira, atrasos no desenvolvimento e convulsões. Teddy passou pelo procedimento de uma hora de duração do ‘Hey Children’s Hospital’, em Liverpool, na semana passada. Os cirurgiões cortaram sua cabeça e removeram a parte de seu crânio que se desenvolveu muito cedo.

Os médicos então remodelaram os ossos e construíram uma nova testa para Teddy, dando bastante espaço ao seu cérebro em crescimento. Sua mãe Beki disse ao jornal Daily Mail, que o deixou para a grande cirurgia por volta das 9h da manhã e só o trouxe de volta às 18h30, cerca de 10 horas depois.

O bebê nasceu com um condição rara chamada 'cranioestenose'
O bebê nasceu com um condição rara chamada ‘cranioestenose’ (Foto: Reprodução/Daily Mail)

“Eles cortaram sua cabeça de orelha a orelha no topo, removeram parte de seu crânio, remodelaram e colocaram de volta”, disse ela. “Demoraram tanto porque não é uma testa que serve para todos – é uma coisa sob medida. Fizeram com que coubesse no rosto dele, como antes não cabia”. Apesar da provação, Jones relatou que Teddy estava surpreendentemente animado após a operação.

“Quando ele voltou, estava um pouco grogue por causa de toda a medicação, mas estava absolutamente animado”, disse ela. “Você não pensaria que ele passou pelo que passou”. Ela disse que depois de alguns dias os olhos de Teddy incharam, restringindo ligeiramente sua visão.

“Ele estava frustrado porque não podia correr. Ele agora terá espaço suficiente para o cérebro crescer. É absolutamente incrível o que eles podem fazer.’ Os ossos nas habilidades dos bebês geralmente têm pequenos espaços entre eles para permitir que o crânio abra espaço para o cérebro à medida que aumenta de tamanho. Mas entre os que sofrem de cranioestenose, uma ou mais dessas lacunas se fundem mais cedo do que deveria, restringindo o crescimento do crânio.

O bebê passou por uma cirurgia de 10 horas para remodelar o crânio
O bebê passou por uma cirurgia de 10 horas para remodelar o crânio (Foto: Reprodução/Daily Mail)

Os médicos não sabem o que causa a condição. O defeito de nascença nem sempre precisa ser tratado. Às vezes, uma forma incomum do crânio pode se tornar menos perceptível ao longo do tempo. Estima-se que cerca de um em cada 2.500 bebês nascidos no Reino Unido tenha cranioestenose. A cirurgia nem sempre é necessária para corrigir a condição e geralmente só é considerada se causar problemas para o bebê à medida que cresce.