Bebês

Teste do olhinho: entenda como funciona o primeiro exame oftalmológico do bebê

Ele pode identificar um problema de visão logo de cara e deve ser realizado ainda na maternidade

Jennifer Detlinger

Jennifer Detlinger ,Filha de Lucila e Paulo

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Logo quando nasce, apesar de já conseguir abrir os olhos, o bebê ainda não sabe usar sua visão. Da mesma forma que ele aprende a falar e andar, é só depois de um tempo que um recém-nascido desenvolve o sistema visual e passa a enxergar. Para garantir que os olhos do bebê estejam normais, é feito o primeiro exame de vista, conhecido como Teste do Olhinho. 

Ele deve ser realizado ainda na maternidade, por um pediatra treinado para identificar possíveis problemas de visão logo de cara. “O teste permite a identificação de uma série de distúrbios nos olhos, como catarata, glaucoma congênito, inflamações e tumores intra-oculares e até mesmo o retinoblastoma, um tipo de câncer raro que afeta o olho por dentro e pode ser fatal”, conta o oftalmologista Rubens Belfort Neto, da clínica Belfort.

O Teste do Olhinho leva mais ou menos 5 minutos e deve ser feito numa sala escura, com um auxiliar segurando o bebê, para garantir que o examinador tenha fácil acesso aos olhos do paciente. Se for detectado o reflexo vermelho em ambos os olhos, o resultado do exame é considerado normal. Caso apareça dificuldade em detectar o reflexo vermelho, a criança deve ser examinada pelo oftalmologista com exames mais específicos para verificar eventuais doenças oculares.

Segundo a Sociedade Brasileira de Oftalmologia, desde junho de 2010, os planos de saúde precisam pagar pelo Teste do Olhinho e, antes disso, o exame já era obrigatório em maternidades públicas e privadas. Então, não há desculpas para deixar de realizar o teste nos bebês. “O exame é rápido, indolor e avalia o reflexo da luz que entra no olho do bebê, permitindo identificar partes como cristalino, vítreo e retina, além da comparação entre os olhos. Se for apontada alguma alteração, o recém-nascido é encaminhado para exame oftalmológico especializado e podemos tratar no tempo certo, para que a visão se desenvolva normalmente”, explica o especialista.

Sempre de olho!

Muitas crianças só são levadas ao oftalmologista quando manifestam alguma dificuldade de enxergar a lousa na sala de aula. Dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) apontam que 50 milhões de brasileiros sofrem de algum tipo de distúrbio de visão e que 60% dos casos de cegueira e deficiência visual poderiam ser evitados se o tratamento tivesse sido feito a tempo. Por isso, é fundamental levar seu filho ao oftalmo e fazer o teste!

Mesmo que o resultado do Teste do Olhinho do recém-nascido seja normal, é importante que o pediatra repita o exame nas consultas de rotina. É preciso levar a criança ao oftalmologista com 1 ano de idade e aos 3 anos. Antes do seu filho ingressar na escola e depois de iniciar a vida escolar, podem ser feitos exames de dois em dois anos, caso não haja indicação de frequência maior.

“Os pais e o pediatra devem acompanhar o desenvolvimento ocular das crianças e comparar a visão entre os olhos. Exames periódicos com oftalmologistas também podem ser solicitados pelo pediatra se ele julgar necessário”, completa Rubens.

Leia também:

Chega de óculos? Cientistas desenvolvem colírio que pode curar a miopia

É normal o bebê ficar vesgo às vezes? Descubra quando se trata de estrabismo

Uso de tablets e smartphones pode prejudicar visão de crianças, alerta oftalmologista

Você gostou desse conteúdo?

Sim Não