8 coisas para avaliar na hora de escolher a creche

Colocar os filhos na creche ainda pequenos é uma escolha difícil

-Publicidade-

Colocar os filhos na creche ainda pequenos é uma escolha difícil para a maioria dos pais. Muitas mães ficam inseguras ou até mesmo culpadas. A gente não tem como eliminar essa culpa, mas podemos ajudar com dicas para que você fique atenta às melhores opções para você e seu filho.

1. Distância. Os horário de entrada e saída podem render algumas horas de trânsito. Além disso, em casos de emergência, você vai agradecer por estar por perto.

-Publicidade-

2. Linha pedagógica. Apesar de muito pequeno, seu filho já deve estar em um ambiente que combine com sua família e traduza os valores que você acredita.

3. Custo. Não é só o preço da mensalidade que você precisa calcular: há o material, o transporte, o lanche, as roupas, passeios, matrícula…

Leia na edição de maio, já está nas bancas, se você deve ou não sentir culpa em colocar o filho cedo na creche.

4. Infraestrutura. Preste atenção na higiene, nos recursos (áreas verdes, biblioteca) e nos aspectos humanos (crianças por turma, auxiliares).

5. Parceria. É importantíssimo que haja um canal aberto de comunicação entre escola e família.

6. Preparo. Informe-se sobre a capacitação dos funcionários: formação, experiência e, principalmente, afetividade com as crianças.

7. Segurança. Observe vidros, piscina, parquinho, degraus e tudo que poe representar um perigo. verifique também se a área destinada ás crianças pequenas é separada.

8. Disciplina. A creche tem horários muito rígidos ou que não estão de acordo? Ou é muito solta? A ideal é a que combine mais com sua família.

 

ConsultoriaElizabeth Monteiro, mãe de Gabriela, Samuel, Tarsila e Francisco, é pedagoga, psicóloga e autora do livro “A culpa é da mãe – reflexões e confissões acerca da maternidade”. Lidia Aratangy, mãe de Cláudia, Silvia, Ucha e Sérgio, é psicóloga e terapeuta familiar. Maria Irene Maluf, mãe de Maria Fernanda e Maria Paula, é psicopedagoga e especialista em neuroaprendizagem. Quézia Bombonatto, mãe de Rodrigo, é psicopedagoga, fonoaudióloga e terapeuta.