Menina de 2 anos tem rosto e pescoço mutilados após ser atacada por filhotes de labrador

A criança ficou com o rosto coberto de arranhões e perdeu parte da orelha após o acidente

Resumo da Notícia

  • Felicity, uma criança de 2 anos, teve o rosto mutilado após sofrer um ataque de quatro filhotes de labrador
  • A mãe da menina ficou traumatizada ao ver o estado de saúde da filha
  • Os pais de Felicity compartilharam a história nas redes sociais como uma forma de aviso a outros pais

Michele Peden contou ao portal The Mirror sobre o ataque por diversos filhotes de cachorro que sua filha de dois anos sofreu. A mãe de quatro crianças ficou traumatizada após o rosto da criança ficar mutilado com diversos arranhões.

-Publicidade-

A mãe explicou que, no dia 3 de junho, ela saiu com seu marido, Michael, para fazer algumas compras para o aniversário da filha Felicity e recebeu a ligação de que a menina estava no hospital após ter sido atacada pelos quatro filhotes de labrador, que a família adotou em maio deste ano.

Felicity, de 2 anos, foi atacada por 4 filhotes de labrador (Foto: Jam Press/Reprodução/The Mirror)

A ligação para falar sobre o acidente sofrido pela filha chegou dez minutos após sua saída. Ela ficou horrorizada ao encontrar Felicity desacordada no hospital. “Eles tinham comido a orelha dela e mutilado o rosto, pescoço e a parte de cima do corpo. Tudo o que eu podia cheirar na cabeça dela era baba de cachorro, o que me deu enjoo e vontade de chorar”, relembrou Michele. A garota precisou levar diversos pontos por toda a face.

“Eu chorei. Meu coração estava partido e parecia que eu iria desmaiar. O sentimento de não poder fazer nada para a minha bebê foi difícil”, conta Michele, que também revelou se sentir culpada pelo acidente sofrido pela filha. “No momento, eu não tinha nenhuma outra informação, mas eu concluí que a única coisa no meu quintal que poderia ter causado aquele estrago eram os filhotes.”

Os pais de Felicity compartilharam a história nas redes sociais como uma forma de aviso a outros pais, e a publicação acabou viralizando. O casal até abriu uma conta no GoFundMe para arrecadar dinheiro para que eles possam arcar com as contas do hospital.

A jornada da criança no hospital continuou quando ela foi levada para um hospital especialista em criança com um centro de traumas, onde ela realizou uma cirurgia plástica para tentar salvar a orelha.

(Foto: Jam Press/Reprodução/The Mirror)

Apesar dos esforços dos médicos, depois de três horas de cirurgia, eles conseguiram salvar pouco da orelha da menina – apenas o lóbulo da orelha e a orelha interna foram reconstruídos. A mãe lembra que a bebê chorava após a cirurgia, querendo apenas os colos dos pais, que não podiam pegá-la devido aos machucados sérios no pescoço. O medo de perder a filha continuou quando os médicos informaram que os rins da garota estavam falhando e o corpo dela começando a desligar por causa do trauma.

Os profissionais sugeriram colocá-la na diálise e também confirmaram a necessidade de cirurgias no futuro para fazer reparos no rosto dela. A boa notícia é que a face da criança já começou a desinchar e os exames provaram que ela não sofreu nenhum estrago interno nos órgãos ou pescoço. Depois de sete dias ela foi liberada do hospital.

Os filhotes sofrem da Síndrome dos Irmãos de Ninhada (Foto: Jam Press/Reprodução/The Mirror)

Os cachorros da família foram levados para um abrigo, e foi constatado que eles sofrem de Síndrome dos Irmãos de Ninhada. “Como resultado, uma série de problemas comportamentais pode se tornar presente enquanto eles tentam exibir comportamentos da matilha. Eles podem se tornar instantaneamente violentos uns com os outros, então depois do ataque a Felicity eles acabaram se atacando também. Os filhotes também conseguiram entrar em nosso galinheiro, onde mataram nove das minhas 15 galinhas. Por mais que a gente tenha amor pelos nossos filhotes, agora os enviamos para um abrigo para realojamento e, devido à sua tenra idade, acredita-se que é improvável que eles ataquem novamente se forem separados”, explica Michele.