“Tão importante quanto cuidar dos filhos é cuidar de quem cuida deles: você”, defende Silvia Lobo

A psicóloga entende que precisamos nos permitir “ser humanos”

Silvia Lobo falou sobre a importância de uma figura maternal (Foto: Rogério Lorenzoni)

A sexta e última palestra do seminário teve o tema “Juntos é possível com a nossa tribo” e foi dada por Silvia Lobo. A psicóloga, psicanalista e socióloga começou com uma provocação: “Durante muitos séculos, nós fomos consideradas apenas barriga e por isso éramos consideradas um produto de quinta categoria”.

-Publicidade-

Com o passar do tempo e após as guerras, a mulher foi começando a ocupar os espaços públicos e ser mãe se tornou um ato valioso e, principalmente, um desejo. Nessa mentalidade, a socióloga diz que chegamos ao que temos hoje, em que ser mãe é uma das opções possíveis, mas não a única.

“Mãe não precisa mais ser sacrifício, mas uma escolha de contribuir com o futuro da sociedade”, comemora. Para ela, esse poder de escolha é um avanço, porque valoriza as várias facetas da mulher. A mãe da Adriana, Suzana e Maurício entende que o patriarcado ainda existe, mas já tivemos grandes conquistas.

-Publicidade-

A saúde mental de uma criança depende de uma figura maternal de acordo com a especialista. “Um bebê precisa ter impresso nele uma pessoa que ele conhece e que conhece ele, para que possa confiar sem nenhuma dúvida”, pontua. Essa pessoa precisa ser alguém que considera a função sagrada, independentemente da relação de sangue, gênero e família.

A rede de apoio é importante para a psicóloga, mas essa relação maternal é imprescindível. Mãe é quem cuida, seja quem for. Por isso, a especialista compartilha: “A maternidade é uma das tarefas mais difíceis, porque nós não somos ensinadas, mas aprendemos na prática”.

A socióloga critica os livros infantis por só mostrarem mães santas e não a realidade. Então, quando você engravida, tenta se adequar a essa idealização e acaba se frustrando. Por isso, ela afirma: “O maior patrimônio que podemos deixar para nossos filhos é ser quem de fato somos”, com os erros e acertos.

Ser humano é ser ambivalente para a psicanalista e por isso não dá para estabelecer um único jeito de educar. Assim como cada bebê é diferente, a mesma mãe também tem maneiras diferentes de criar os filhos. Então, é preciso aceitar ser humano e entender que o ser que você está ajudando a criar também é humano, e tem suas vontades.

Para ela, romper preconceitos como esse é um desafio necessário. Outra barreira a ser quebrada é a visão de que as pessoas deixam de ser humanas após o nascimento dos filhos. “Uma mãe e um pai não devem substituir a mulher e homem que você é”, diz.

Não deixe de pensar em si é a mensagem que Silvia Lobo deixa com a palestra. “Tão importante quanto você cuidar dos filhos é cuidar de quem cuida deles, você”, termina.

Leia também:

Léo Jaime abre as palestras da melhor forma: “Você é o maior exemplo para o seu filho”

Hel Mother relembra importância do juntos e defende: “É preciso uma aldeia para criar um filho”

“Só existe uma pessoa que pode ser o pai do seu filho”, diz Marcos Piangers sobre a paternidade

-Publicidade-