Boa notícia: Brasil vai começar a testar hidroxicloroquina no tratamento de coronavírus

Inicia nesta segunda-feira, 23 de março, o ensaio clinico liderado pelo Hospital Albert Einstein para checar se o medicamento funciona no combate ao covid-19. Os cientistas deram um prazo de 2 meses para divulgarem os resultados

Resumo da Notícia

  • Um grupo de hospitais irá realizar o teste do medicamento
  • O resultado será em dois meses
  • A aprovação da Comissão Nacional de Ética e Pesquisa foi ontem a noite

Ontem foi realizada a liberação para um ensaio clínico que testa a eficiência do uso de hiroxicloroquina no tratamento para o novo coronavírus. Quem irá realizar esses testes será um grupo de hospitais liberados pelo Albert Einsten.

-Publicidade-

O ensaio começou a ser desenhado há três semanas e recebeu ontem a noite a aprovação da Comissão Nacional de Ética e Pesquisa. O Einstein trabalhará ao lado de outras instituições como o Hospital Sírio Libanês e o HCor, conforme informou o diretor-superintendente de pesquisa do Einstein, Dr. Luiz Vicente Rizzo, ao Brazil Journal.

(Foto: Reprodução/ BrazilJournal)

A expectativa é de que os dados conclusivos sobre a eficácia do tratamento sejam apresentados em dois meses. O ensaio começou a ser projetado a três semanas e ontem ganhou a autorização da Comissão Nacional de Ética e Pesquisa. Rizzo explicou que o medicamento não será o único a ser testado e que outros medicamentos serão usados. “A hidroxicloroquina não é a única alternativa que existe que tem mostrado dados promissores.”

-Publicidade-

 

Novos testes, estão encontrando alternativas para cura do novo coronavírus (Foto: Getty Images)

Luiz também completou “É um estudo adaptativo. Os estudos de modo geral são estudos fechados, onde você entrou num braço e você vai ter que ficar naquele braço. Esse estudo nos dá a flexibilidade, pela sua força estatística, de mudar pacientes de grupos se tivermos respostas melhores. É óbvio que amanhã pode surgir uma droga nova em outro lugar, mas temos a flexibilidade de incluir novas drogas promissoras no estudo. Por isso disse que esse é um estudo inovador no Brasil, de modo geral o Brasil não aprova estudos nesse modelo.”

Agora, você pode receber notícias da Pais&Filhos direto no seu WhatsApp. Para fazer parte do nosso canal CLIQUE AQUI!

-Publicidade-