Boa notícia! Cientistas criam material capaz de eliminar coronavírus de superfícies

O produto feito com nanopartículas foi desenvolvido na Espanha e está passando por uma série de testes para ser liberado para o mercado

Resumo da Notícia

  • Cientistas criam material capaz de eliminar coronavírus de superfícies
  • O produto foi criado na Espanha
  • Ele é feito com feito com nanopartículas
  • A novidade está passando por uma série de testes para ser liberado para o mercado

Uma equipe de pesquisadores do CSIC (Conselho Superior de Pesquisa Científica) da Espanha conseguiu criar um nanomaterial capaz de eliminar o coronavírus de superfícies. A novidade poderia ser utilizada em locais como máscaras, tecidos, corrimões, maçanetas e etc.

-Publicidade-
Cientistas criam produto capaz de eliminar a Covid-19 de superfícies (Foto: Getty Images)

O produto é composto por nanopartículas de cobre, que inibe as proteínas do novo coronavírus e inibe a dissiminação. “A nova tecnologia consiste em nanopartículas que interagem com as proteínas do coronavírus, modificando-as por um mecanismo de oxidação e bloqueando sua capacidade de infectar células humanas”, explicou o pesquisador José Miguel Palomo, que lidera o desenvolvimento no centro de pesquisa, em entrevista ao portal R7.

De acordo com o que CSIC afirmou nesta segunda-feira, 15 de fevereiro,  o material tem como foco ser aplicado em  máscaras cirúrgicas, tecidos de proteção para uso hospitalar e no revestimento de superfícies de contato, como grades ou maçanetas do transporte público. Os pesquisadores estão estudando o desenvolvimento industrial do produto, para liberá-lo ao mercado.

A eficiência do material vem do fato do componente ativo ser nanopartículas de cobre muito pequenas, o que aumenta a eficiência, por ser constituído de espécies de cobre com um único estado de oxidação. “Isso é de grande interesse, pois permitiria ter um novo tipo de máscaras eficazes com inativação direta contra SARS-CoV-2, além de prevenir a transmissão por barreira mecânica [filtração], e permitiria ter materiais têxteis para proteção em ambiente hospitalar”, disseram os pesquisadores.