Brasil decide comprar vacinas da Pfizer e Janssen contra covid-19: veja como será o processo

O contrato foi assinado nesta quarta-feira pelo Ministério da Saúde; a quantidade de doses será decidida até o ínicio da próxima semana

Resumo da Notícia

  • O Ministério da Saúde assinou o contrato de compra das vacinas para covid-19 da Pfizer e Janssen nesta quarta (03)
  • A quantidade de doses adquiridas será informada até o início da próxima semana
  • Atualmente, a vacina da Pfizer é a única que possui registro definitivo no Brasil pela Agência de Vigilância Sanitária

Nesta quarta-feira, 3 de março, o Ministério da Saúde assinou o contrato de compra das vacinas para covid-19 da Pfizer e Janssen, de acordo com os integrantes da cúpula da pasta. Apesar dos contratos ainda estarem sendo feitos, eles serão assinados até o início da próxima semana, dizendo ainda a quantidade de doses que serão enviadas para o Brasil.

-Publicidade-
Ainda não foram informados a quantidades de doses que serão compradas da vacina da Pfizer e da Janssen (Foto: Unsplash)

Durante uma reunião com os representantes da Confederação Nacional de Municípios, CNM), o ministro da Saúde disse que o contrato com a Pfizer já está sendo feito e que o ministério está negociando com a Janssen. Atualmente, a vacina da Pfizer é a única que possui registro definitivo no Brasil pela Agência de Vigilância Sanitária, enquanto a CoronaVac e a de Oxford possuem o uso emergencial.

Para que a decisão fosse tomada, foi necessário a aprovação de um projeto de lei na Câmara, que facilita a compra de vacinas por estados, municípios e também empresas. Enquanto o país tiver uma emergência de saúde pública, causada pela pandemia, os três poderão comprar vacinas, desde que a Anvisa conceda o registro ou autorização temporária.

-Publicidade-

Em outros países, a vacina da Janssen, da Johnson & Johnson, já recebeu autorização de registro, mas ainda é necessário a aprovação da Anvisa no Brasil. Em janeiro, foi anunciado que a taxa de eficácia é de 66% nos casos moderados e graves. Apenas nos casos graves, a taxa é de 85%. Para os casos leves, ainda é necessário aguardar a publicação em revista científica.