Família

Documentário “Em um mundo interior” fala de autismo e quebra preconceitos

É o primeira película sobre o tema no Brasil; assista ao trailer

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

emummundointerior_menino

Foto: Divulgação

Dia 2 de abril foi o Dia Mundial de Conscientização do Autismo. Quando esse assunto vem à tona, o que vem a sua cabeça? Uma criança genial ou quietinha, isolada e com dificuldades de se comunicar? Quando se trata de Transtorno do Espectro Autista, muitas incertezas surgem. O nome já mostra: existem várias faces do transtorno, várias maneiras de se manifestar, e apesar das características mais comumente apresentadas, criar um estereótipo de criança autista é algo complicado e errado.

Pensando nisso, os cineastas Flavio Frederico e Mariana Pamplona decidiram fazer um documentário que abordasse o mundo do autismo, para informar, sensibilizar e acabar com estereótipos que reforçam o preconceito. Ao longo do filme, conhecemos a história de sete famílias, de diferentes classes sociais e regiões do país, que compartilham a vida de crianças e adolescentes de 3 a 18 anos. “Em um Mundo Interior” estreia dia 31 de maio e está cheio de amor e conhecimento para todos saberem um pouco mais sobre esse transtorno.

 

Assista ao trailler

 

Sinais de autismo

A partir dos dois anos de idade é possível identificar os primeiros sinais do autismo. “Se a criança não fala, não aponta para objetos e não olha nos olhos dos pais, ela precisa ser avaliada por um médico”, alerta Gustavo Teixeira, fundador do CBI (Child Behavior Institute), especialista em saúde mental infantil e psicoeducação.

Ainda não existem exames de laboratório para efetuar o diagnóstico, a avaliação é clínica e o tratamento envolve terapia, fonoaudiologia e mediação escolar. Por isso o conhecimento é muito importante para que os pais e os demais envolvidas com essa criança como professores e profissionais de saúde possam melhor ajudar no seu desenvolvimento.

Lei também:

Síndrome de Down e autismo na mesma casa: isso não é problema, não! 

Aprenda a identificar os primeiros sinais do autismo 

Autismo: prepare sua roupa azul!