Estudante brasileira de universidade pública descobre 46 novos asteroides com a NASA

Geovana Sousa, de 21 anos, estudante de física, decidiu homenagear a família para nomear os asteroides recém vistos por ela

Resumo da Notícia

  • Geovana Sousa recebe reconhecimento de Agência Espacial internacional por identificar 46 novos asteroides na órbita;
  • Nascida em Manaus, a jovem sempre foi fascinada pelo universo e suas curiosidades não descobertas;
  • A estudante de física escolheu nomear os asteroides homenageando a família, amigos e pessoas que admira, como forma de agradecimento por apoiarem seu sonho de pesquisar o espaço.

A jovem estudante, Geovana Sousa, diz que sempre foi apaixonada pelos astros e que, na infância, ficava cerca de 15 minutos ao dia apenas observando a imensidão galáctica. O reconhecimento internacional por detectar 46 novos asteroides veio como uma afirmação deste sonho de estudar a fundo o espaço e seus mistérios .

-Publicidade-

O projeto fundado pelo MCTI, Caça Asteroides, permite que astrônomos amadores, cidadãos em instituições, escolas e clubes de ciências possam conhecer melhor sobre astronomia e tem como missão popularizar o meio científico entre os voluntários, sendo capazes de realizar descobertas astronômicas originais (o caso de Geovana Souza) e participar da astronomia prática.

Natural de Manaus, a jovem manauara foi estudar no Ceará, no Instituto Federal de Ciência e Tecnologia (IFCE), para ter mais oportunidades no ramo e conseguir realizar o sonho de pesquisar detalhes sobre o universo. Como forma de agradecimento, a entusiasta decide homenagear a família, amigos e pessoas que aprecia para nomear os asteroides recém vistos.

Certificado de reconhecimento da NASA pela descoberta de Geovana no 'Caça Asteroides'
Certificado de reconhecimento da NASA pela descoberta de Geovana no ‘Caça Asteroides’ (Foto: Arquivo pessoal)

Para o Caça Asteroides, uma plataforma da IASC/Nasa fornece mais de 17.500 imagens captadas de um telescópio da Universidade do Havaí para análise dos cientistas amadores. Através do software Astrometrica, os participantes se reúnem em equipes para observar, identificar e enviar relatórios de possíveis asteroides ou objetos próximos da Terra (NEOs).

Em entrevista ao G1, ela explica que seu trabalho ainda será avaliado por especialistas. “Quando ocorre essas novas detecções de asteroides que vão para a preliminar ainda ocorre um longo período de avaliação, que dura de 6 a 8 anos para realmente haver a confirmação do novo asteroide”.