Família que sobrevive com R$30 por dia e depende de auxílio gás fala sobre dificuldades enfrentadas

A família de 5 pessoas vive com menos de R$1 mil por mês e todo benefício faz diferença

Resumo da Notícia

  • Uma família sobrevive com R$30 por dia e menos de R$1 mil por mês
  • Antônia Aquino é dona de casa e disse que não consegue viver sem o auxílio gás
  • A família é composta por 5 pessoas

Uma família de 5 pessoas que moram em Teresina, Piauí, sobrevive com R$30 por dia e auxílio gás. Antônia Aquino, 58, é dona de casa e disse ao portal do G1 que não consegue viver sem o auxílio, pois já é uma grande ajuda para a família que vive com menos de R$1 mil por mês.

-Publicidade-

Como a família dela, outras mais de 243 mil famílias de baixa renda recebem o Auxílio Gás, benefício concedido pelo governo federal destinado à compra do botijão de 13 kg. O valor corresponde a 50% da média de preço do produto no país, que é de R$105. Mas em Teresina, o botijão chega a R$140.

A dona de casa Antônia é uma das beneficiárias. Ela mora com o filho, a nora e dois netos no Parque Universitário, Zona Leste de Teresina, e vive com apenas R$452, provenientes dos auxílios Brasil e Gás. A renda da família é complementada com mais R$400 que a nora também recebe de auxílio.

O preço do gás aumentou dificultando a vida de muitas famílias
O preço do gás aumentou dificultando a vida de muitas famílias (Foto: Reprodução/Ilanna Serena/G1)

Ao G1, a dona de casa relatou que compra um botijão de gás a cada dois meses, em média. O valor do produto corresponde a quase 31% de todo o salário. “Apesar de pouco [o auxílio], ajuda, porque é melhor que nada. Eu pago R$140 no botijão hoje, pago porque tem que cozinhar, fazer a comida das crianças. A gente faz um esforço, tira um pouco de um lado, coloca no outro”, disse.

Natural do estado do Ceará, a mulher chegou ao Piauí ainda adolescente. Por anos, trabalhou como diarista no bairro Tancredo Neves. Hoje, ela tenta dar entrada na aposentadoria. “Depois que fiquei viúva, comecei a bater nas portas e pedir. Vergonha não é pedir, é roubar. Ganhei muito alimento e roupa, pedindo. O dinheiro é pouco, não tenho condição de comprar roupa, é luxo. Ganhei vários vestidinhos, panelas”, comentou.