Filha abre o coração após ficar 3 dias procurando vaga em hospital para internar o pai com Covid-19

Elenice Vasconcelos só conseguiu leito para Francisco das Chagas Vasconcelos, de 68 anos, nesta quarta-feira, 24 de março, na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) no Renascença, em Teresina

Resumo da Notícia

  • Elenice Vasconcelos passou 3 dias procurando vaga em hospital para internar o pai com Covid-19
  • A filha só conseguiu leito para Francisco das Chagas Vasconcelos, de 68 anos, nesta quarta-feira, 24 de março
  • O idoso foi internado na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) no Renascença, em Teresina

Desespero é a palavra que define o que Elenice Vasconcelos tem sentido nos últimos dias. Ela estava procurando uma vaga para internar o pai, Francisco das Chagas Vasconcelos, de 68 anos, que foi contaminado com Covid-19. Por mais que o idoso tenha plano de saúde, isso não resolveu nada e ele só conseguiu um leito nesta quarta-feira, 24 de março.

-Publicidade-

“Se tivesse deixado meu pai em casa mais tempo, ele não teria resistido. Desde a semana passada, ele sentia febre, dor de garganta. Por ele ser cardíaco, resolvemos não esperar mais. Passamos em três hospitais privados, mas eles nem abrem a porta porque não tem vaga. Em um deles, a recepcionista ainda tentou ajudar, mas despacharam. Desde segunda, 22 de março, estamos atrás de uma vaga e só conseguimos ontem, mesmo ele com plano de saúde”, contou ela ao Cidade Verde.

Elenice comentou sobre dificuldade de encontrar vagas em hospital para internar pai com Covid-19 (Foto: Reprodução/ Cidade Verde)

Seu Francisco foi internado na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) no Renascença, na região do Grande Dirceu. Mas independente disso, Elenice comentou que continua apreensiva sobre o estado de saúde do pai e que ter fortalecido a fé para que o pai não só não piore como se recupere.

“Ontem a saturação caiu pra 85 (normal é acima de 90) começou dar falta de ar e muito cansaço. Hoje já melhorou e está em 91. Como filha tentei fazer de tudo para dar um melhor tratamento ao meu pai e continuo na esperança de conseguir transferi-lo para um hospital privado que tenha mais estrutura e UTI, caso ele precise. Agora é confiar em Deus”, disse.