Hora de escolher! Como ajudar os filhos a decidir uma carreira para seguir

Mônica Camargo Tracanella, psicóloga especialista em desenvolvimento humano, que atuou por mais de 20 anos na área de Recursos Humanos de conceituadas empresas, deu algumas dicas práticas sobre o assunto

Resumo da Notícia

  • Como ajudar os filhos a decidir uma carreira para seguir
  • Mônica Camargo Tracanella, psicóloga especialista em desenvolvimento humano, que atuou por mais de 20 anos na área de Recursos Humanos de conceituadas empresas, deu algumas dicas práticas sobre o assunto
  • Veja o que você, como pai ou mãe, pode fazer!

É muito comum que os pais coloquem grandes expectativas no futuro dos filhos, principalmente quando falamos de carreira e profissão. Decidir uma área para atuar no futuro nunca é uma coisa fácil e seu filho com certeza vai precisar passar por isso em algum momento da vida. O lado bom é que você pode ajudá-lo com essa missão sem necessariamente precisar coagi-lo a seguir a mesma profissão que você ou algo que você, como pai ou mãe, sonhou para ele.

-Publicidade-

Mônica Camargo Tracanella, psicóloga especialista em desenvolvimento humano, que atuou por mais de 20 anos na área de Recursos Humanos de conceituadas empresas, deu algumas dicas práticas para que você, como pai, torne essa decisão do seu filho mais fácil sem necessariamente influenciá-lo diretamente. Ela começou contando que vem notando uma mudança de hábito: antes, os pais buscavam muito que os filhos seguissem o que eles sonhavam e hoje a luta é mais pela busca pela felicidade.

Hora de escolher! Como ajudar os filhos a decidir uma carreira para seguir
Hora de escolher! Como ajudar os filhos a decidir uma carreira para seguir (Foto: Getty Images)

“O grande ponto é que também existe uma grande pressão por ser feliz, e essa pressão muitas vezes atrapalha ainda mais um jovem a fazer a sua escolha”, ressaltou ela. Monica falou sobre a importância de desprender a noção da escolha da carreira de certos lugares comuns, como a ideia de que a escolha é definitiva, de que está se traçando todo o destino e que existe uma “carreira perfeita”.

“A nós, pais, cabe ter empatia e tentar oferecer o máximo apoio, sem sufocar. Abrir espaço para diálogo, trazendo leveza ao abordar o tema e apoiando, ao invés de cobrar. Uma boa forma de ajudar é exatamente quebrando essas crenças e mostrando que existe um grande leque de possibilidades; que não existe um, mas muitos caminhos possíveis e que a escolha nunca será definitiva”, aconselhou.

Veja algumas dicas dadas pela profissional:

  • 1. Estimule o autoconhecimento: o acesso aos principais talentos, valores e preferências ajuda muito a entender que tipo de carreira faria maior ou menor sentido; traria maior ou menor satisfação pessoal e profissional;
  • 2. Faça algumas reflexões sobre futuros possíveis: sim, existe mais do que uma possibilidade!
  • 3. Proporcione acesso a diferentes estímulos e conteúdos: quanto maior a amplitude de conhecimento, maior a clareza no momento da escolha;
  • 4. Incentive a experimentação: a gente até pode ter nossas preferências, mas é na prática que a gente vai sentir se nossa escolha realmente faz sentido – estágios, acompanhar profissionais, conversar com pessoas que já atuam na área… tudo isso vale a pena