“Isso é um monstro”, desabafa mãe de jovens que foram envenenados pela madrasta

Jane Carvalho, mãe de Fernanda e Bruno que foram envenenados pela madrasta, contou que se sentiu revoltada com o caso pois a mulher estava na vida dos filhos desde os 4 anos de idade, e jamais pensou que ela fosse assim

Resumo da Notícia

  • Fernanda, 22, e Bruno, 16, foram envenenados pela madrasta, Cíntia e infelizmente a jovem não resistiu e morreu em março por intoxicação
  • O menino sobreviveu e contou a versão dos fatos, onde relatou que sempre teve um pé atrás com a madrasta
  • Agora a mãe é quem está revoltada com a situação e segundo ela, a mulher esteve presente na vida deles desde os 4 anos de idade, e jamais imaginaria algo assim dela

Fernanda, 22, e Bruno, 16, foram envenenados pela madrasta, Cíntia e infelizmente a jovem não resistiu e morreu em março por intoxicação. O menino sobreviveu e contou a versão dos fatos, agora a mãe é quem está revoltada com a situação e segundo ela, a mulher esteve presente na vida deles desde os 4 anos de idade, e jamais imaginaria algo assim dela.

-Publicidade-

As suspeitas sobre a morte de Fernanda Cabral no dia 27 de março – cuja morte foi atestada como sendo por causas naturais – , só surgiram quando o irmão dela, Bruno, começou a passar mal depois de um almoço na casa da madrasta, no dia 15 de maio. No local, ele reclamou de ter recebido um feijão amargo e com algumas pedrinhas azuis. Em casa, com a mãe, e já se sentindo mal, reclamou e falou sobre o alimento.

No hospital, Bruno foi submetido a uma lavagem estomacal e a um exame de sangue que detectou níveis altos de chumbo em seu sangue. Com a suspeita de que os filhos foram envenenados, Jane Carvalho Cabral, mãe dos jovens, registrou queixa na 33ª DP, em Realengo, que iniciou buscas na casa da madrasta.

A madrasta envenenou os dois enteados, mas Fernanda não resistiu e morreu em março
A madrasta envenenou os dois enteados, mas Fernanda não resistiu e morreu em março (Foto: Reprodução/O Globo)

“Ele já veio de lá com uma ansiedade, bem preocupado e achando que tinha acontecido algo estranho porque quando reclamou do feijão amargo de pedrinhas azuis, ela arrancou o prato da mão dele, colocando mais feijão e entregando pra ele depois. Quando ele veio pra cá, veio perguntando como fazia pra vomitar. Mais ou menos uns 40 minutos depois, começou todo o desespero que foi o que a Fernanda sentiu. Na mesma hora eu imaginei que o gosto amargo desse feijão poderia ser o suposto veneno”, contou a mãe dos jovens ao portal do G1.

Com a denúncia do caso, investigadores foram até a casa de Cíntia e recolheram o feijão para análise, mas antes do resultado do exame, na quinta-feira (19), a madrasta tentou se matar. Ela foi levada para o hospital, se recuperou e, na sexta-feira (20), foi levada para a 33ª DP para prestar depoimento, quando teve sua prisão decretada. A análise do feijão não encontrou substâncias tóxicas, mas a polícia não tem confirmação se é a mesma comida ingerida pela vítima.

Na delegacia, Cíntia permaneceu em silêncio, seguindo orientações do advogado. Mas em outro depoimento, um filho biológico de Cíntia contou à polícia que a mãe confessou ter envenenado Fernanda e Bruno com chumbinho, que é veneno usado para matar ratos.

“Uma mulher dessas não pode nem ser chamada de ser humano, isso é um monstro. Essa pessoa entrou na nossa vida quando meu filho tinha 4 anos de idade. Fazer isso com a irmã e depois fazer com meu filho, isso não é um ser humano, não é um ser humano”, disse Jane Cabral, mãe dos jovens.