Família

Já ouviu falar sobre a “sarna humana”?

A escabiose é transmitida tanto pelo toque quanto por objetos

Ana Beatriz Alves

Ana Beatriz Alves ,Filha de Maria de Fátima

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Como o próprio apelido já sugere, a “sarna humana” é caracterizada por uma coceira intensa, mais intensa à noite, e lesões vermelhas nos locais das dobras como dedos, braços, pernas e barriga. Se começou a coçar demais, corre para o médico!

Renata Marques, dermatologista e mãe da Isabela, explica que o contágio é feito pelo contato de uma infestação originada pelo ácaro Sarcopteis scabiei. Uma pessoa que tem escabiose pode te passar por um aperto de mão, mas também pela roupa e acessórios. Por isso é mais frequente quando tem uma maior aglomeração. Apesar de atingir todas as idades, crianças e idosos são mais propensos por terem a imunidade mais fraca.

Sintomas

– Coceira muito intensa, principalmente à noite;

– Nos bebês de 2 a 3 meses, muitas vezes não existe coceira;

– Atualmente existem casos sem coceira (mas é raro);

– Zonas de pele avermelhada ou zonas avermelhadas com rugosidade, numa fase inicial;

– Com a evolução, surgem “borbulhas” e papúlas (“pequenos altos”), com “vincos” escuros na pele ou “galerias” (são os túneis feitos pelo parasita);

– Atinge mais as zonas entre os dedos, palmas das mãos, plantas dos pés, punhos, cotovelos, axilas, joelhos, nádegas, zona púbica;

Importante esclarecer que só passa de humano para humano. “Por contato direto com pessoa ou roupas e outros objetos contaminados. Ou seja, gatos e cães não transmitem a sarna para os seres humanos.”

Como tratar

Se uma pessoa pegou na sua casa, todo mundo vai ter que passar pelo mesmo tratamento. A medicação varia, mas consiste no uso tópico de substâncias que destroem o parasita. Mas é sempre bom consultar o médico e manter-se afastados da escola e trabalho até a confirmação médica que está tratado e curado.

Leia também:

O inverno está acabando e a catapora pode chegar; fique de olho 

O verão está chegando e com ele os pernilongos!

Doenças de verão 

Você gostou desse conteúdo?

Sim Não