Justiça autoriza família colocar origens indígenas em documentos pessoais

Eunice, de 37 anos, e seus três filhos, poderão acrescentar o nome e etnia indígena nos registros. O caso aconteceu em Nova América, centro de Goiás

Resumo da Notícia

  • Família comemorou a autorização da justiça para colocar informações indígenas nos registros pessoais
  • Agora eles podem coloca a etnia e o nome nos documentos
  • De acordo com eles, foram anos de espera para que a autorização ocorresse

Ótimas notícias! A Justiça autorizou uma família de Nova América, interior de Goiás, a acrescentar o nome e etnia indígena em documentos pessoais após longos anos de tentativa.

-Publicidade-

Eunice, de 37 anos, e seus filhos Nuiawã Moraes Rodrigues, Yasmim Moraes Rodrigues e Cesar Da Rocha Rodrigues, que moram na aldeia Carretão, irão receber o sobrenome “Tapuia” nos registros pessoais.

A família comemorou a notícia pois possuíam dificuldades para comprovar que faziam parte à uma comunidade, podendo inibir seus direitos como indígenas perante a lei.  “Nós sempre soubemos quem nós somos, de onde viemos e nossa história. Agora, com o estado reconhecendo, é uma sensação de dever cumprido e estamos conquistando aquilo que foi tirado dos nossos ancestrais”, disse ela ao g1. 

Justiça autoriza família colocar origens indígenas em documentos pessoais
Justiça autoriza família colocar origens indígenas em documentos pessoais (Foto: Reprodução / Eunice da Rocha)

“Nós sabemos que é um grande passo e sentimos orgulho, pois é algo que tentamos há muito tempo. Não é só uma palavra que irá mudar no nosso nome, mas é dizer para o estado que ele errou, que ele quis nos apagar, mas ele não conseguiu. Seguimos aqui, firmes e fortes”, continuou.

“O povo Tapuia sempre lutou. Nosso povo conquistou o direito ao nosso território, a primeira escola indígena, a nossa língua materna, o portugues ‘tapuia’, e agora estamos conquistando o direito do nosso nome em nossos documentos. A luta agora é pelo coletivo”, acrescentou.