Mãe perdoa marido que estuprou a própria filha por 6 anos, segundo relato: “Ele sempre tratou bem”

Segundo declarações da tia, a mãe perdoou o marido após ele violentar sexualmente a própria filha

Resumo da Notícia

  • Homem violentou a própria filha e recebeu o perdão da mãe, segundo a tia
  • Ele foi condenado a 24 anos de prisão em 2019 após investigação do caso
  • A tia da menina que ajudou ela a denunciar a violência

Homem que foi condenado por estupro da própria filha, dos 6 aos 12 anos da garota, foi supostamente “perdoado” pela mãe dela, alegando ter perdoado e envolvendo crença religiosa na justificativa. Conforme o portal Metrópoles, a tia por parte de mãe da menina falou em depoimento da polícia que “a mulher era testemunha de Jeová e, portanto, perdoaria o criminoso”.

-Publicidade-

Essa versão é a mesma que consta do acordo do Tribunal de Justiça de São Paulo, que absolveu o réu. O homem foi preso em 2019 e até o momento, tinha sido condenado a 24 anos de prisão. A tia ainda disse que depois de saber dos abusos sexuais, contou para a mãe da garota que disse já saber do ocorrido.

“[A tia] contatou sua irmã, genitora da vítima, que respondeu que já sabia dos fatos e chegou a indagar ao réu, oportunidade em que ele teria admitido os atos libidinosos. Mas a mãe resolveu perdoar o acusado, ‘por ser testemunha de Jeová’, está no acórdão judicial.

A menina teve um corte profundo na perna
A menina sofreu abuso dos 6 aos 12 anos (Foto: iStock)

A tia também contou que além do perdão, a relação da mãe com o marido é “doentia” e isso poderia estar negligenciando o ocorrido. Ainda, segundo o metrópoles, a garota procurou ajuda com a tia dela. A menina relatou que o pai passava a mão dela de uma forma diferente, usava as mãos nos órgãos dela e até chegava a lamber. Ela contou que os abusos geralmente aconteciam quando os dois estavam em casa sozinhos.

Ainda segundo relatos da garota, depois da violência sexual, ela desencadeou depressão, crise de pânico, e tem uma dificuldade de se relacionar com homens e ir para locais públicos. No depoimento prestado para policia, a mãe da menina disse não saber de nada e que o homem “sempre tratou bem os filhos, sendo carinhoso com todos ao seu redor, e nunca apresentando comportamentos suspeitos”. A mãe da menina também é investigada por omissão.