Monique desabafa com a mãe sobre Henry dormir no quarto de casal após agressões de Jairinho: “Quem ama tolera”

A mãe da criança de 4 anos mandou para a avó materna, Rosangela, foto do pequeno dormindo no chão da suíte de casal no dia 23 de março, exatamente às 21h42

Resumo da Notícia

  • Monique Medeiros mandou para a mãe, Rosangela, foto do filho dormindo no chão do quarto de casal no dia 23 de março
  • A troca de mensagens foi recuperada no celular da professora pela Polícia Civil do Rio e consta no inquérito que apura o caso
  • A conversa entre elas aconteceu 11 dias depois de a mãe de Henry ser alertada de que o menino estava sendo agredido pelo por Jairinho

Monique Medeiros mandou para a mãe, Rosangela, foto do filho dormindo no chão do quarto de casal no dia 23 de março, exatamente às 21h42. O menino de 4 anos aparecia deitado em uma cama feita no chão da suíte onde a mãe morava com Dr. Jairinho, desde novembro.

-Publicidade-

A troca de mensagens, obtida pelo EXTRA, foi recuperada no celular da professora pela Polícia Civil do Rio e consta no inquérito que apura o caso. Na conversa por WhatsApp, a avó por parte de mãe responde: “Toda criança é desse jeito. Seu irmão foi assim. O problema é que pai tolera e aceita. E tio???????”, questiona.

Em seguida Monique rebate: “Quem ama, aceita e tolera também…”. As duas professoras ainda se declaram uma a outra: “Te amo” e “Te amo também. Obrigada!”. A conversa entre elas aconteceu precisamente 11 dias depois de a mãe de Henry ser alertada em tempo real, pela babá Thayna de Oliveira Ferreira, de que o menino estava sendo agredido pelo pelo padrasto.

Monique desabafou com a mãe sobre Henry Borel dormir no quarto de casal (Foto: Reprodução/ Extra)

Neste dia, 12 de março, a mãe, que estava em um salão de beleza em um shopping cinco minutos do condomínio Majestic, demorou três horas para retornar ao apartamento. Em depoimento prestado na 16.ª DP (Barra da Tijuca), Thayna disse estar na brinquedoteca do prédio com Henry quando, por volta de 19h, Monique chegou e pediu para que descessem a fim de “darem uma volta” de carro.

Ela ainda teria dito: “Nossa, eu vim rápido, ainda borrei minha unha. Me conta, Thayna, o que aconteceu?” A babá então novamente relatou o que presenciou e conversou com o menino, sendo que ele, segundo ela, confirmou com a cabeça que havia sido agredido por Jairinho.

Entenda o caso Henry

Henry Borel, segundo o G1, não resistiu na madrugada da segunda-feira, 8 de março, na Barra de Tijuca, Zona Oeste do Rio. No dia, o menino estava na casa da mãe, Monique Medeiros da Costa Almeida, e do padrasto, o vereador Jairo Souza Santos, o Dr. Jairinho (Solidariedade).

No laudo médico é relatado que a criança já deu entrada no hospital sem vida, sendo a causa uma hemorragia interna e laceração hepática causada por uma ação contundente. A criança apresentava:

  • Múltiplos hematomas no abdômen e nos membros superiores;
  • Infiltração hemorrágica na região frontal do crânio, na região parietal direita e occipital, ou seja, na parte da frente, lateral posterior da cabeça;
  • Edemas no encéfalo;
  • Grande quantidade de sangue no abdômen;
  • Contusão no rim à direita;
  • Trauma com contusão pulmonar;
  • Laceração hepática (no fígado);
  • Hemorragia retroperitoneal.

O pai, no depoimento, contou que recebeu uma ligação de Monique às 4h30 pedindo que ele fosse até o Hospital Barra D’Or, porque o filho não estava respirando. Ela contou a Leniel que fez respiração boca-a-boca em uma tentativa de reanimar a criança.

As médicas que atenderam o menino no hospital também foram ouvidas pela polícia e as três pediatras garantiram que Henry chegou sem vida ao local. A mãe, Monique Medeiros, e o padrasto, vereador Doutor Jairinho, também realizaram os depoimentos e houve divergências entre eles.