Mulher comete injúria racial com família no metro em BH

A cena foi gravada por várias pessoas que estavam no metrô e a família abriu um boletim de ocorrência do caso

Resumo da Notícia

  • Mulher ofende família de negros em metro de Belo Horizonte
  • Pessoas que estavam no vagão gravaram os dizeres da mulher
  • A polícia foi acionada e o caso segue em investigação

Uma mulher é presa em Belo Horizonte, após cometer um crime de injúria racial contra uma família dentro do metrô. No domingo, dia 5 de junho, Leni Rodrigues e Alexandre Elias Rodrigues estavam passeando com a filha, a manicure Isabelle Cristiane Rodrigues, no metrô em Minas Gerais.

-Publicidade-

Na frente deles estava uma mulher identificada como Adriana Maria Lima de Brito, de 54 anos. Segundo o portal G1, houveram relatos que Adriana começou a fazer comentários racistas para família. Alguns passageiros chegaram a gravar a mulher insultando a família.

No vídeo é possível escutar ela falando: “Eu não sou da sua raça, eu não sou da sua raça”, e dançando, “Eu sou racista, eu sou racista!”. O acontecimento provocou revolta nos usuários do transporte. Quando o vagão parou na estação, muitos falaram pra Adriana sair do metrô.

A polícia foi chamada para o local e a mulher foi presa em flagrante por injúria racial (quando alguém ofende uma pessoa com base na cor). A família também fez um boletim de ocorrência e testemunhas prestaram depoimento.

Conforme o G1, no boletim, Adriana chamou a família de: “negros fedidos”, “crioulos fedorentos”, “raça impura”, “Não poderiam estar no mesmo ambiente que nós” e “pretos fedorentos”.

Adriana negou as acusações e não falou nenhuma ofensa racial. Ela também falou que eles arremessaram água nela. O delegado do caso, Rafael Alexandre Faria, disse que a tipificação do crime ainda poderá ser alterada.

Vários usuários do metrô falaram para ela sair do vagão (Foto: Reprodução/ G1)

“Nós temos imagens, depoimentos de testemunhas que serão tomados e outras informações que serão coletadas no âmbito da investigação” disse Alexandre.

A família também pede justiça. “Ainda ter essas coisas, as pessoas fazendo isso com a gente. Nós somos seres humanos iguais a todos, iguais a ela que, por ser uma pessoa branca, é igual a mim. As palavras que ela falou estão na minha cabeça e não vão sair, porque ela ofendeu no fundo da nossa alma. Não vou aceitar isso, nós vamos até o final”.