“Não dou conta de tudo. Sou uma mulher possível”, diz Ana Fontes no POD&Tudo

Mãe de duas meninas e fundadora da Rede Mulher Empreendedora, maior rede de apoio ao empreendedorismo feminino no Brasil, Ana Fontes conversou com a Pais&Filhos no primeiro episódio do podcast e falou sobre maternidade, carreira e vida real

Resumo da Notícia

  • Ana Fontes foi a primeira convidada do POD&Tudo, podcast da Pais&Filhos lançado na última quarta-feira
  • Mãe de duas meninas, Ana Fontes é fundadora da Rede Mulher Empreendedora, maior rede de apoio ao empreendedorismo feminino no Brasil
  • A empreendedora social já foi eleita como Empreendedora do Ano pela IstoÉ Dinheiro e uma das 20 mais poderosas do país pela Forbes Brasil 2019

Nesta quarta-feira, 29 de junho, rolou a estreia do POD&Tudo, o podcast da Pais&Filhos e o primeiro de todos os streamings com foco no universo parenting que une informação, credibilidade e visibilidade para mulheres/mães empreendedoras. Para começar com o pé direito, nossa convidada para o lançamento foi Ana Fontes, empreendedora social e fundadora da Rede Mulher Empreendedora.

-Publicidade-

O currículo de Ana Fontes é extenso: eleita como Empreendedora do Ano pela IstoÉ Dinheiro e uma das 20 mais poderosas do país pela Forbes Brasil 2019 e Top Voices Linkedin 2020, ela foi vencedora do Prêmio Folha Empreendedor Social de 2020 e é conselheira da Unimed, do Instituto Avon, da Plan International; além disso, é delegada líder do Brasil no W20, grupo de engajamento do G20. Por fim, Ana também é autora do livro Negócios: um assunto de mulheres – a força transformadora do empreendedorismo feminino.

Durante o bate-papo, comandado por Andressa Simonini, editora-executiva da Pais&Filhos e filha de Branca Helena e Igor, e com a participação de Beatriz Possebon, editora de arte, Ana Fontes começou a contar como chegou onde está agora do marco inicial de sua história: seu nascimento em um povoado chamado São José da Tapera, no sertão de Alagoas. Depois de uma forte seca, ela veio aos 4 anos para Diadema, em São Paulo, com os 7 irmãos, o pai, a mãe e um tio para morarem uma casa de apenas dois cômodos.

Ana Fontes relembrou que a família “vivia pelo dia” e muitas vezes passaram dificuldade. “Eu lembro da minha mãe organizando as coisas. A minha mãe fazia um negócio que é muito louco a gente pensar nisso hoje em dia. A gente não podia pegar comida na panela e a gente não se servia até ser adolescente. Ela passava com a panela colocando a comida no prato de todo mundo. Na época eu achava aquilo muito esquisito, mas hoje eu entendo muito claramente: ela fazia isso para que todo mundo comesse“, contou. Andressa, após ouvir a declaração, comentou que “para dar conta, ela era líder de empresa e presidente da família”.

Ana Fontes contou sobre maternidade, carreira e a história de vida dela durante o bate-papo no POD&Tudo
Ana Fontes contou sobre maternidade, carreira e a história de vida dela durante o bate-papo no POD&Tudo (Foto: Pais&Filhos)

Da infância para a vida adulta

Durante a faculdade, Ana Fontes se deparou com mais um desafio financeiro. Em tempos em que não existiam incentivos que ajudassem jovens de baixa renda a estudarem em faculdades privadas, ela pagou a matrícula do curso de Publicidade e Propaganda e ganhou de uma amiga da família a primeira mensalidade para começar os estudos.

“O dinheiro não dava para pagar. Eu juntava dois, três meses de mensalidade para pagar uma e ficava sempre devendo. Um dia, no primeiro ano, eu cheguei na faculdade e tinha um quadro gigantesco no pátio escrito ‘Lista dos Devedores’ com os nomes. Era supernormal, mas não era só isso: quando você ia fazer as provas bimestrais, quem estava devendo não recebia as folhas. O professor chamava os nomes de quem não estava devendo, e quem devia eles falavam para ir até a tesouraria. Era para fazer passar vergonha mesmo”.

O acolhimento em um lugar diferente e que não sabia lidar com a realidade de Ana Fontes também foi uma questão, já que ele não existiu. “Eu lembro de uma coisa que eu ouvi de um diretor. Ele me perguntou onde eu morava e eu respondi: ‘Ali em Diadema’. Ele falou: ‘Na Faixa de Gaza?’, no tom de brincadeira”. Quando questionado sobre o motivo daquilo, o acadêmico respondeu que já tinha escutado falar que o local era muito violento e que morriam pessoas diariamente por lá. “Mas é onde eu moro”, Ana explicou.

Andressa Simonini, editora-executiva, e Beatriz Possebon, editora de arte, foram as responsáveis por comandar o primeiro episódio do POD&Tudo entrevistando Ana Fontes
Andressa Simonini, editora-executiva, e Beatriz Possebon, editora de arte, foram as responsáveis por comandar o primeiro episódio do POD&Tudo entrevistando Ana Fontes (Foto: Pais&Filhos)

Quem paga a conta é a mulher

Entre todos que sofrem com as desigualdades existentes entre quem tem dinheiro e pode bancar por uma educação de “primeira linha” e quem depende de instituições que não recebem incentivos e não estimulam os próprios alunos a evoluírem, a conta chega mais alto para a mulher – sempre. “Eu chamo isso de marcadores sociais. Você cria vários deles que vão te excluindo”.

“O fato de eu ser uma mulher de origem negra, pele clara e cabelo crespo, um monte de vezes eu fui colocada em [situações que me diziam] ‘prende o cabelo’, ‘alisa esse cabelo’. Era uma coisa que as pessoas falavam com a maior tranquilidade. Cada vez que você adiciona marcadores, você cria uma dificuldade para você ter acesso [às coisas]. Você adiciona barreiras”.

Nasce uma mãe – e uma empreendedora

Assim como para mais de 70% das mulheres, a maternidade foi um gatilho para que Ana Fontes começasse a empreender. O número alto deixa claro como o mercado de trabalho não aceita mães: muitas são expelidas após a confirmação de uma gravidez e demitidas após voltarem da licença-maternidade. As que continuam em seus cargos, diversas vezes, são excluídas da dinâmica empresarial e deixadas de lado pelos colegas.

“Em 2007 eu comecei a olhar as coisas de maneira diferente. Eu era mãe da minha primeira filha e não me via a longo prazo na empresa, sendo uma alta-executiva”. A ideia de pedir demissão foi sendo trabalhada mentalmente ao longo daquele ano, e Ana reforçou que não foi uma decisão fácil. O medo e, principalmente, os boletos, eram fatores de preocupação. “Fiquei com muito medo. Eu falo isso para as mulheres, não vou romantizar isso”.

Após uma experiência de rejeição no trabalho quando adotou a segunda filha que o empreendedorismo chegou de vez na vida de Ana Fontes. A primeira sociedade não deu certo, mas logo em seguida nasceu o Rede Mulher Empreendedora, a primeira e maior rede de apoio ao empreendedorismo do Brasil e que já impactou mais de 750 mil pessoas.

Mãe, mulher e empreendedora, Ana Fontes reforça que ela não é uma heroína - e, por causa disso, não dá conta de tudo
Mãe, mulher e empreendedora, Ana Fontes reforça que ela não é uma heroína – e, por causa disso, não dá conta de tudo (Foto: Pais&Filhos)

Equilibrando os pratos

Família, trabalho, vida pessoal, maternidade… como é possível dar conta de tudo, equilibrar os pratinhos e fazer tudo o que é preciso ser feito? A resposta de Ana Fontes é bem simples: “Eu não dou conta! Porque não preciso disso, eu não sou a mulher-maravilha, eu não sou uma mulher multitarefas, nem perfeita. Eu sou uma mulher possível. E ninguém é! Mas tem uma expectativa”.