Príncipe de Mônaco teria pedido para brasileira abortar: “Depois que engravidei ele sumiu”

A mulher demorou para descobrir quem ele era, pois nunca falou o nome verdadeiro. A filha tem 15 anos e deseja o reconhecimento do pai, o monarca Albert II

Resumo da Notícia

  • Brasileira com filha de 15 anos, contou sobre o relacionamento com o Príncipe de Mônaco, o monarca Albert II.
  • Ela pede um exame de DNA na justiça e o reconhecimento dele como pai.
  • O relato da história ocorreu neste domingo, dia 1 de agosto, para o programa Domingo Espetacular, da Record TV.

Brasileira entrou na justiça por reconhecimento de paternidade do príncipe Albert II de Mônaco com a filha de 15 anos. Ela e a menina vivem em Umbria, na Itália, esperando uma nova audiência para pedirem o exame de DNA. Quando contou que estava grávida, ele não queria ser pai, pediu para abordar e sumiu. Esse relato foi a público em entrevista ao programa Domingo Espetacular, da Record TV, neste domingo, dia 1 de agosto.

-Publicidade-
A mãe deseja apenas o reconhecimento dele como pai. (Foto: Reprodução/ Domingo Espetacular)

A mulher, que pediu para não ser identificada, conheceu o monarca no trabalho em discoteca famosa do Rio de Janeiro, em Copacabana, em 2004. Ele inventou um nome e carreiras fictícios quando se relacionava com a funcionária. “Chegou como uma pessoa normal… O nome dele era Erik ou ele pedia pra chamar ele de “Dove” ou “Baby”, contou a brasileira.

O romance evoluiu e a brasileira foi convidada para viajar com ele por 30 dias por Portugal, Itália, Rússia e Mônaco. Ela disse não perceber estar ao lado entre os homens mais importantes do mundo, mesmo jantando com a família real e sendo apresentada como “amiga”.

“Na época, ele ainda não era príncipe, né. Lá ele caminhava como uma pessoa normal. Até hoje falam que é normal encontrar com eles lá caminhando como pessoas normais. Ninguém aborda. São pessoas comuns.”

Após chegar no Brasil, o casal manteve contato por telefone e e-mail, mas tudo mudou quando relevou a gravidez. Ele pediu um aborto e desapareceu. Depois a mulher decidiu por criar a filha e passou por um período difícil na vida.

“Quando descobri que estava grávida, falei “estou grávida” e ele pegou e sumiu, desapareceu. Ele não queria ter filho e pediu para fazer o aborto… Foi difícil. Eu trabalhei durante os nove meses de gestação”

Albert reapareceu após os três meses da filha por meio de um e-mail, perguntando ela tinha seguido em frente com a gestação: “Ele perguntou para mim se eu tinha tido a filha, falei que sim e perguntou se eu queria encontrar com ele. Eu tava muito triste, muito chateada com toda a situação que aconteceu e tava [tentando] reconstruir a minha vida. Eu pedi para ele sumir e desaparecer. Não sabia que ele [era o príncipe]. Cheguei a procurar na internet os nomes que ele passava, mas [não deu em] nada. Ele nunca deu o nome verdadeiro para mim”.

A brasileira não é a primeira mulher a pedir reconhecimento de paternidade ao monarca. Após uma ação na justiça, Albert assumiu os filhos Jazmin e Alexandre, mas por serem concebidos fora do casamento não tem direito ao título da nobreza e podem receber parte da herança do pai avaliada em 894 milhões de euros (cerca de R$ 5 bilhões). Os únicos filhos dentro das regras da realeza são os gêmeos Jaime e Gabriela, de seis anos, do casamento com a ex-nadadora olímpica Charlene Wittstock.

Desfecho da história

A descoberta do Príncipe de Mônaco ser o pai da filha dela foi durante uma conversa descontraída com um amigo, em 2019. Ela contou ter visitado o país com ele e a ideia surgiu durante uma brincadeira. Depois de pesquisar no Google, ver a foto e ter certeza, decidiu abrir um processo para o monarca reconhecer a menina e não deseja nada em troca.

“Eu quero que ela tenha o pai dela que sempre quis. Até conversei com o advogado e falei: ‘olhe, eu poderia até pegar e renunciar a qualquer coisa, não quero nada. O que passou, passou’.