Super-herói: cão ucraniano ganha medalha de honra após farejar 200 bombas na guerra

Reconhecido pelo trabalho ao identificar explosivos, Patron também ajudou a educar crianças sobre os perigos da guerra na Ucrânia

Resumo da Notícia

  • Cão ucraniano ganha medalha de honra após farejar 200 bombas na guerra
  • Patron também ajudou a educar crianças sobre os perigos da guerra na Ucrânia
  • Ele recebeu o reconhecimento especial no último domingo, 9 de maio
  • Tudo aconteceu durante uma coletiva de imprensa em Kiev

Um cão, chamado Patron, que tem como função farejar bombas pelas forças armadas da Ucrânia, foi reconhecido no último domingo, 9 de maio, durante uma coletiva de imprensa em Kiev, com uma medalha de honra pelos trabalhos junto com o tutor que trabalha no Serviço de Proteção Civil do País.

-Publicidade-
Cão ucraniano fareja 200 bombas e ganha medalha de honra
Cão ucraniano fareja 200 bombas e ganha medalha de honra (Foto: reprodução / Instagram)

Estima-se que o pequeno cão já identificou mais de 200 explosivos desde do início da guerra, além de ajudar a educar crianças sobre os perigos representados por explosivos. Um vídeo publicado no início de abril nas redes sociais pelo Centro de Comunicações Estratégicas e Segurança da Ucrânia mostra o cachorro da raça Jack Russel terrier em ação dando suporte à equipe para identificar artefatos bélicos.

O pet de 2 anos é conhecido também por participar do serviço de emergência de Chernihiv com técnicos de minas e armadilhas desde o dia 24 de fevereiro quando começou a invasão na Ucrânia. Desde a 2° Guerra Mundial, cães são usados para farejar e desmontar minas pela alta capacidade de detectar explosivos rapidamente, segundo estudos.

Com olfato muito melhor do que um ser humano, especialistas dizem que eles são eficazes em zonas de conflitos para farejar revestimentos de plástico e metal. Este feito dos cachorros já se espalhou pelo mundo e eles já ajudaram em guerras de locais como Afeganistão, Camboja e Colômbia, já que, mesmo com fim dos conflitos, as minas terrestres seguem representando riscos.