“Você também quer?”, disse anestesista ao ser perguntado sobre grande quantidade de sedativo

O anestesista Giovanni Quintella Bezerra rebateu o questionamento feito por uma técnica de enfermagem, quando ela percebeu a grande quantidade de sedativo que ele aplicava nas gestantes

Resumo da Notícia

  • O anestesista Giovanni Quintella Bezerra rebateu o questionamento feito por uma técnica de enfermagem, quando ela percebeu a grande quantidade de sedativo que ele aplicava nas gestantes
  • O médico anestesista era visto como uma pessoa de comportamentos estranhos, por parte dos demais colegas de trabalho
  • Ele foi preso em flagrante durante a madrugada da última segunda-feira, 11 de julho

O Giovanni Quintella Bezerra, de 32 anos, preso em flagrante durante a madrugada da última segunda-feira, 11 de julho, por estuprar uma parturiente durante o parto cesárea dela – era visto por demais colegas de profissão como alguém com “atitudes estranhas” e que “arrumava o espaço de trabalho de forma a criar barreiras que impedia a visão de todos os profissionais presentes”.

-Publicidade-

Por meio da apuração jornalística do Universa, foi possível ter acesso aos depoimentos de três funcionários do hospital concedidos na Delegacia de Atendimento à Mulher de São João de Meriti. A técnica de enfermagem, pessoa que faz parte do núcleo de funcionários ouvidos, contou que na primeira cirurgia do dia percebeu que a gestante estava totalmente sedada.

Anestesista é preso por estuprar pacientes
Anestesista é preso por estuprar paciente em parto cesárea (Foto: Reprodução / G1)

Em seguida, a profissional de saúde questionou o médico, que respondeu de uma forma totalmente ríspida: “Por quê? Você também quer?”, disse o anestesista à técnica de enfermagem. A mulher ainda disse que uma outra colega de plantão contou que o anestesista pediu que o acompanhante da segunda grávida saísse do centro cirúrgico. Ao todo, o Giovanni participou de três procedimentos naquele dias.

As imagens filmadas referem-se ao momento após o nascimento do bebê, com a mãe ainda inconsciente por conta da quantidade de anestesia recebida. “A declarante e seus colegas viram que o mesmo chegou a ejacular na boca da paciente, limpando a boca da mesma e seu pênis e depois jogou o material fora na lixeira ali próxima”, alegou o documento, conforme aponta o Universa.