Grávida presa em enchente é resgatada momentos antes de dar à luz

Amanda Santana, 26, abandonou sua casa e foi levada por um grupo de apoio até o Hospital Materno-Infantil Dr. Joaquim Sampaio, onde foi realizado o parto

Resumo da Notícia

  • Prestes a dar à luz, mulher é resgatada após ter casa alagada por enchentes na Bahia;
  • Amanda Santana, 26, começou a sentir as contrações após abandonar sua casa e seguir para um abrigo;
  • Um trator de uma fazenda da região levou Amanda até o hospital, onde realizou o parto.

No último domingo, 26, a autônoma Amanda Santana abandonou sua residência momentos antes de ser alagada pelas chuvas que vem devastando a Bahia. Em entrevista à UOL, a mulher informou que, na manhã do dia 26, ela e o pai de Aysha, Adriano Farias, foram para um abrigo. Uma hora depois, Amanda passou a sentir contrações.

-Publicidade-

A mãe de 26 anos foi levada às pressas por uma rede de apoio, formada por moradores da região, ao Hospital Materno-Infantil Dr. Joaquim Sampaio. Já no local, concebeu uma menina, Aysha. Mas o trajeto até a chegada na maternidade teve diversos obstáculos.

O parceiro explicou que o casal estava indo de trator ao hospital mais próximo da região, Hospital Regional Costa do Cacau. Entretanto, o veículo não conseguiu seguir adiante, já que a água das enchentes estavam começando a encobri-lo.

Um homem que passava pelas proximidades de onde Amanda e Adriano estavam ilhados os socorreram, levando o casal de barco até o Hospital Regional do Cacau. O pedreiro conta que, ao chegar no Hospital Regional do Cacau, Amanda recebeu os primeiros atendimentos, mas precisava ser levada para uma maternidade.

Para isso, um helicóptero da força-tarefa do governo da Bahia levou Amanda e Adriano até o aeroporto de Ilhéus. De lá, a família foi encaminhada para a maternidade por uma ambulância com uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Aysha nasceu saudável e aguarda alta hospital
Aysha nasceu saudável e aguarda alta hospital (Foto: Reprodução UOL/Mauricio Maron/ Hospital Materno-Infantil Dr. Joaquim Sampaio)

Emoções à flor da pele

Adriano Farias, um pedreiro de 29 anos, contou ao UOL que a família ficou alojada em uma igreja por volta das 04h30. Cerca de uma hora depois Amanda, que estava na 37ª semana de gestação, passou a sentir contrações.

Enfermeiras da igreja que também estavam isoladas dos alagamentos, ofereceram ajuda à Amanda. “Elas queriam ver se dava pra fazer o parto na igreja, porque as correntezas estavam fortes”, disse.

O casal segue na maternidade aguardando a alta da recém-nascida Aysha. Ambos ainda não tiveram condições de retornar para casa e saber a situação atual da residência onde moram após os alagamentos.