Mãe chora ao retornar ao trabalho 12 dias após parto prematuro da filha em desabafo de arrepiar

Por meio do TikTok, Rebecca Shumard mandou a real sobre a necessidade de retornar ao trabalho na Pensilvânia, nos EUA. Por lá, ela admitiu porque voltou tão cedo a trabalhar

Resumo da Notícia

  • Uma mãe chorou ao contar para seguidores do TikTook que estava voltando a trabalhar apenas 12 dias após o parto prematuro da filha
  • Rebecca Shumard é enfermeira na Pensilvânia, nos Estados Unidos
  • Por lá, ela admitiu que quer "economizar" os dias de licença maternidade para poder ficar com a filha quando ela sair com hospital
  • A bebê está internada na UTI

Situação delicada: uma mãe publicou um vídeo chorando no TikTok, contando para os seguidores que estava de volta ao trabalho apenas 12 dias após o nascimento prematuro da filha. Rebecca Shumard é enfermeira na Pensilvânia, nos Estados Unidos – e explicou porque tomou essa decisão.

-Publicidade-

Informações do portal Today Parents confirmaram que Rebecca deu à luz Edden com 27 semanas. A mãe contou, no vídeo publicado na rede social, que está “economizando” dias de sua licença maternidade enquanto sua bebê está internada na UTI – para poder cuidar da menina quando ela estiver em casa.

Mesmo assim, Rebecca aparece chorando – segundo ela, consumida pela culpa. No vídeo, a enfermeira aponta: “Você tem que voltar ao trabalho 12 dias depois de ter uma bebê prematura com 27 semanas, para que, quando ela finalmente receber alta, você possa passar a pequena licença-maternidade que tiver com ela. Como alguém pode lidar com a culpa quando você tem que trabalhar e não pode estar com seu bebê?”.

O portal Today Parents ainda explicou que, nos Estados Unidos, não existe licença-paternidade remunerada – e que, ao todo, são seis semanas de licença familiar não remunerada para ficar com o bebê. Desta maneira, Rebecca conta que não tinha muitas opções além de retomar ao trabalho tão cedo. “Como alguém consegue se dar ao luxo de ficar em casa?”, disse ela.

Rebecca ainda revela que precisa extrair leite a cada três horas – e que essa é uma tarefa cada dia mais difícil. “Você tenta tirar o leite no trabalho a cada três horas, mas eles estão com falta de pessoal. A oferta de leite está (diminuindo) em 8 semanas pós-parto”.

Final feliz

Internautas se comoveram com a história da mãe e organizaram uma vaquinha online para doação de dinheiro e outros recursos que permitiriam que Rebecca pudesse acompanhar a internação da filha.

“TikTok… por sua causa não serei forçada a escolher entre ficar com minha filha ou pagar as contas”, agradeceu Rebecca, em outro vídeo. “Sou eternamente grata”. Após 72 dias hospitalizada, Eden pode voltar para casa com a família. Rebecca ainda aproveitou o espaço para lançar uma reflexão sobre a licença-parental, nos EUA.

“Eu queria vir aqui e dizer: ‘Obrigada’. Isso é muito louco – muitos de vocês mostraram apoio, estenderam a mão e doaram. Não é absolutamente responsabilidade de pessoas generosas como você assumir algo assim e fazer aquilo. Acho que nosso país precisa perceber que esse é um problema e que seis semanas de licença-maternidade não é suficiente”, finaliza ela.